Imprensa livre e independente
07 de abril de 2016, 12h27

Documentos do Panamá mostram ligação de fundador do PSDB com offshore

Robson Marinho é acusado de manter negócios com a offshore Higgins Finance, que teria sido usada para receber propina da Alstom por contrato milionário com a Eletropaulo.

Robson Marinho é acusado de manter negócios com a offshore Higgins Finance, que teria sido usada para receber propina da Alstom por contrato milionário com a Eletropaulo Por Redação O conselheiro do Tribunal de Contas de São Paulo Robson Marinho é acusado de manter ligações com a offshore Higgins Finance, que teria sido usada para receber propina da Alstom por contrato milionário com a Eletropaulo. A Higgins Finance é uma das empresas citadas no Panama Papers, nome dado ao vazamento de 11,5 milhões de documentos do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, no início da semana. As informações são do Blog...

Robson Marinho é acusado de manter negócios com a offshore Higgins Finance, que teria sido usada para receber propina da Alstom por contrato milionário com a Eletropaulo

Por Redação

O conselheiro do Tribunal de Contas de São Paulo Robson Marinho é acusado de manter ligações com a offshore Higgins Finance, que teria sido usada para receber propina da Alstom por contrato milionário com a Eletropaulo.

A Higgins Finance é uma das empresas citadas no Panama Papers, nome dado ao vazamento de 11,5 milhões de documentos do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, no início da semana. As informações são do Blog do Fernando Rodrigues, no UOL.

O acervo da Mossack traz 152 e-mails sobre a offshore e Robson Marinho, que é fundador do PSDB e foi afastado em agosto de 2015 por suspeita de corrupção. De acordo com o Ministério Público (MP-SP), ele teria recebido cerca de US$ 3 milhões da Alstom para conseguir a implementação do aditivo X do contrato Gisel, entre a multinacional francesa e a Eletropaulo.

Veja também:  Sete momentos para você não querer Eduardo como embaixador

Procurado, Marinho não foi localizado para comentar o assunto e seu advogado, Celso Vilardi, não quis se pronunciar sobre o caso.

Foto de capa: TCE

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum