Blog do Rovai

23 de junho de 2019, 18h44

A França ganhou do Brasil, mas as meninas me lembraram da ditadura nas escolas dos anos 70

Cabulávamos aulas de Educação Moral e Cívica (EMC) e Organizações Sociais e Política Brasileiras (OSPB) pra ir pra quadra. As meninas pra jogar queimada ou vôlei. Os meninos, futebol. Porque queimada e vôlei eram frescuras. Esporte pra menininhas.

Sou te de um tempo que futebol era coisa pra machos. Os meninos jogavam bola. Sim, bola era sinônimo de futebol. As meninas, queimada.

Essa era a educação física dos anos da ditadura militar.

E menino que não quisesse jogar bola (ou seja, futebol) era menininha.

Depois o Brasil descobriu que além do futebol havia países do mundo que praticavam outros esportes. Ou a ditadura descobriu. Porque as pessoas até já sabiam.

E nas escolas o vôlei passou a ser jogado pelas meninas nas aulas de educação física.

Cabulávamos aulas de Educação Moral e Cívica (EMC) e Organizações Sociais e Política Brasileiras (OSPB) pra ir pra quadra.

As meninas pra jogar queimada ou vôlei. Os meninos, futebol. Porque queimada e vôlei eram frescuras. Esportes pra menininhas.

Nossos milicos sempre foram assim. Estimulavam a homofobia e a misoginia. Em tudo. Inclusive no esporte.

Quem viveu a década de 70 nas salas de aula sabe do que estou falando.

Independente de qualquer coisa, o futebol feminino do Brasil merece todas as honras. Todos os nossos aplausos. Todas as celebrações. E quem sabe um dia os meninos passem a jogar queimada como vocês jogam futebol.

Veja também:  Jornalista da GloboNews diz que fontes americanas riram sobre filho de Trump ser embaixador no Brasil

Não será uma derrota na prorrogação contra a França que vai me fazer esquecer o quanto meninas da minha idade foram impedidas de jogar bola, ou melhor, futebol.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum