Rodrigo Perez Oliveira

09 de março de 2018, 18h36

A origem do lulismo e o PSOL

Em novo artigo, Rodrigo Perez Oliveira fala da força da candidatura de Boulos apoiada por Lula. “Boulos talvez seja a liderança brasileira que melhor fez trabalho de base nos últimos vinte anos. E Lula é o Lula. Seria uma candidatura forte, muito forte”

Lula já está monumentalizado, para o desespero de seus detratores de esquerda e de direita. Ninguém mais no Brasil fará política no campo progressista sem reivindicar o legado do lulismo – Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula/Fotos Públicas

Já há algum tempo a crônica política anda bem animada nesse nosso simpático país tropical. Em ano de eleição, a animação vai ficando ainda maior, principalmente a essa altura do calendário eleitoral, quando as negociações pela formação das chapas ficam mais intensas.

Neste ensaio, quero tomar a polêmica indicação de Guilherme Boulos como pré-candidato à Presidência da República pelo Partido Socialismo e Liberdade, o PSOL, para examinar aquele que se tornou o mais valioso capital político da história do Brasil: o lulismo.

Este texto, portanto, não é sobre o PSOL, partido político de reduzida importância no cenário nacional. Também aqui o PSOL é coadjuvante, é pretexto para uma reflexão sobre o lulismo. É isto: o que o leitor e leitora têm sob os olhos é um texto sobre o lulismo.

Uma boa forma de começar é pelo começo, dizendo algumas palavras sobre as origens do lulismo.

Já é bem conhecida pelos estudiosos da política brasileira contemporânea a hipótese desenvolvida por André Singer, importante cientista político. Para Singer, o lulismo nasceu em 2006, no segundo turno das eleições presidenciais, quando o Presidente Lula enfrentou o tucano Geraldo Alckmin.

Ali, naquele momento, ainda segundo Singer, aconteceu, pela primeira vez na Nova República, uma clara divisão de classe no mapa eleitoral: os mais pobres votaram em Lula. Teria surgido, assim, o lulismo como fenômeno político independente do PT e diretamente identificado com a liderança carismática de Lula.

Quero discordar ligeiramente da interpretação de André Singer. Digo “discordar ligeiramente” porque a discordância é pontual e não substancial. Acho mesmo que Singer está certo quando identifica a existência do lulismo e o conceitua como um fenômeno político independente do PT e marcado pela liderança carismática de Lula. Porém, acho que Singer erra na cronologia e peca em não perceber o lugar do lulismo na história das ideologias políticas brasileiras.

O lulismo, na minha interpretação, é mais que um fenômeno político independente do PT e marcado pela liderança carismática de Lula. O lulismo é a atualização do trabalhismo inventado por Getúlio Vargas e alimentado por João Goulart e Leonel Brizola.

O lulismo não é exatamente uma novidade, pois suas premissas já estavam dadas no imaginário político brasileiro desde o final dos anos 1930. Por isso, acredito que o berço do lulismo não está nas eleições presidenciais de 2006, como afirma André Singer. O berço do lulismo está nas eleições presidenciais de 1998, quando após anos de tensão e conflito PT e PDT, Lula e Brizola, sentaram à mesa e lançaram uma chapa única. Foi nesse momento que Lula começou a entender que Brizola estava certo desde o início.

O lulismo, então, é o encontro de Lula, a principal liderança popular que já tivemos, com o trabalhismo, o mais importante projeto de modernização e desenvolvimento independentes que já existiu no Brasil. É por causa dessa combinação que o lulismo se tornou o mais valioso capital político da história do Brasil. É esse capital político que o PSOL quer, simplesmente, jogar fora. Mas por quê? Respondo no finalzinho do texto.

Veja também:  Torcedores do Inter agridem mulher gremista, fazem criança chorar e roubam camisa

Resumindo meu argumento:

O lulismo significa a maturidade política de Lula, que finalmente aderiu ao trabalhismo, ideologia que negou desde o final dos anos 1970. Pois sim, meus amigos, pode parecer estranho falar isso agora, mas o jovem Lula e o primeiro PT não queriam o trabalhismo, não reivindicavam a herança de Getúlio. Chamavam Getúlio de “populista”, “autoritário”, “ditador”. Foi por conta dessa rejeição ao trabalhismo que Lula e Brizola, o PT e o PDT, brigaram durante quase vinte anos.

Mas qual era a diferença entre o primeiro petismo liderado pelo jovem Lula e o trabalhismo representado pelo velho Leonel?

Fora as disputas por posições de poder características do mundo da política, a diferença é, sobretudo, conceitual. A diferença, que não é pequena, está no papel atribuído ao Estado.

Para o trabalhismo, o Estado é o grande fomentador da modernização e do desenvolvimento nacional, funcionando como uma espécie de tutor da sociedade civil. Para o primeiro petismo, a sociedade civil deveria ser ela mesma a potência da modernização e do desenvolvimento. Com essas ideias, o primeiro petismo estava mais próximo do primeiro tucanismo, do PSDB, do que do trabalhismo. Parece loucura, né? Mas não é.

Tanto o PT como o PSDB se transformaram ao longo dos anos 1990 e em pouca coisa lembram os partidos políticos que nos anos da redemocratização representavam as expectativas do campo político progressista. Mas isso é conversa pra outro texto.

Retomando o fio….

O primeiro petismo, comandando pelo jovem Lula, sonhava com uma sociedade civil ativa, se organizando a partir das bases sociais e sendo capaz de pautar o Estado, de coordenar a ação do Estado. Já Brizola olhava com ceticismo para o sonho petista, como quem diz “essas crianças ainda não entenderam nada”.

O primeiro PT, na voz de seus principais intelectuais (Marilena Chauí e Paul Singer, por exemplo), dizia que Brizola era um “caudilho personalista”, “filhote de ditador”. Brizola reagia, dizendo que o PT era a “UDN de macacão”. Talvez seja possível atualizar o gracejo de Leonel e dizer que hoje, o PSOL, que ao negar o lulismo nega também o trabalhismo, é a UDN de brinco e camisa florida.

Piada boa é aquela que não perdemos. Enfim.

O tempo passou e Lula perdeu eleições. Perdeu para dois Fernandos: o Collor e o Cardoso. O povão não votava em Lula e o PT era o partido que embalava os sonhos dos estudantes universitários e da classe média progressista. Em 1989, o povão preferiu Collor e em 1994 preferiu FHC.

Mas como pode?

É que aquele Lula era outro, era o jovem Lula.

O jovem Lula era visto pelo povão como o operário agitador, analfabeto, cachaceiro, grevista. Lula era visto como símbolo da instabilidade.

Veja também:  Manuela d'Ávila explica ódio a Dino: "Para alguém como Bolsonaro deve ser mesmo um pesadelo"

Definitivamente, o povão não gostava do jovem Lula. O povão gosta é do Lula maduro, conciliador, que escreve cartas pra acalmar as pessoas. É tolo quem acha que a famosa “Carta aos brasileiros” de 2002 foi endereçada apenas ao mercado. Foi endereçada ao povão também. Tal como o mercado, o povão também quer estabilidade.

Às duras penas, na experiência da derrota e da rejeição, Lula cresceu, amadureceu e entendeu o Brasil. Lula entendeu que o Brasil ainda era (e ainda é) uma nação de modernização incompleta, um país com mais de 5500 municípios, com uma parte considerável de sua população morrendo de fome e sede. O Brasil é um país que ainda não conseguiu universalizar o acesso ao ensino médio.

Num país assim, as pessoas mais pobres querem sobreviver, querem viver dignamente. E pra isso, o Estado é fundamental. Num país como o Brasil, o Estado é, antes de tudo, agente civilizatório e nenhum projeto político desenvolveu melhor o potencial civilizatório do Estado brasileiro que o trabalhismo.

Num estudo sobre a reação da população do Rio de Janeiro à morte de Getúlio Vargas (em agosto de 1954), Jorge Ferreira, historiador e professor da Universidade Federal Fluminense, mostra que as pessoas identificavam o Presidente morto com uma vida melhor e mais digna. Não se trata de fanatismo, ou de populismo, tampouco de manipulação. É cálculo político.

A população mais pobre sentiu, no dia a dia, que com o “Doutor Getúlio” no Catete a vida era melhor, que o prato estava mais cheio. A vida não melhora com a ação voluntariosa das elites, pois nossas elites, na feliz formulação de Jessé de Souza, são atrasadas, arcaicas. Tampouco a vida vai melhorar a partir de uma ação organizada pela massa de pessoas famintas e subnutridas. Essas pessoas morrem pouco a pouco, vendem no almoço pra comprar na janta.

A vida melhora quando uma liderança progressista consegue ocupar um pedaço do Estado. Essa é a revolução à brasileira.

Foi isso que o trabalhismo fez. Foi isso que o lulismo fez.

Como no Brasil jamais existiu um Robespierre, como ninguém jamais cortou a cabeça das oligarquias da terra, o campo político progressista é sempre mais fraco, já que os filhotes das oligarquias ainda estão aí, ocupando quase todas as posições de poder da República. Por isso, carece de fazer alianças. Getúlio e Jango se aliaram com a burguesia nacional e com frações das oligarquias. Foram golpeados, mortos. Lula fez algo parecido e também está sendo golpeado.

Mas golpe não significa uma completa marcha ré no processo histórico, ainda que sempre promova retrocessos. Mesmo com golpes e mortes, a vida da população mais pobre melhorou depois de Jango e Getúlio. Ainda que com toda a perseguição, a vida da população mais pobre melhorou depois de Lula.

Por mais que os golpistas tentem, eles não conseguem passar uma borracha na história. Alguma coisa sempre fica, algo sempre sobrevive.

Veja também:  "Só reforça o que falamos", diz defesa de Lula sobre diretor da Odebrecht coagido pela Lava Jato

O que estou querendo dizer é que em 1998, Lula entendeu que não adiantava esperar a “auto-organização da sociedade civil” e o “despertar de uma consciência política” em pessoas que estavam lá no sertaozão do Brasil, bebendo água contaminada e comendo lagarto. Era necessário ocupar um pedaço do Estado, custasse o que custasse.

É certo que Lula e Brizola perderam as eleições e FHC foi eleito no primeiro turno, justamente porque encarnava o sucesso do plano real e a imagem da estabilidade econômica e do controle da inflação. Mas mesmo com a derrota, a aproximação entre Lula e Brizola, depois de tanta tensão, de tantos conflitos, apontava para algo novo na política brasileira. Ou melhor, para algo nem tão novo assim: era o início do lulismo, era a atualização do trabalhismo, era o “transformismo petista”.

“Transformismo petista” é um termo que costuma ser utilizado de forma pejorativa, quase como sinônimo de traição. Discordo completamente, pois entendo o “transformismo petista” como o amadurecimento político de Lula, que se tornou o tipo de liderança que o Brasil precisa. Pode não ser a liderança dos sonhos da esquerda brasileira, mas é exatamente a liderança que o Brasil precisa.

E a população mais pobre entendeu isso perfeitamente. Mesmo com quase quatro anos de intenso bombardeio midiático, Lula sobreviveu e partiria para a corrida presidencial com 35% dos votos. É muita coisa. Muita coisa mesmo.

Lula sobreviveu porque tal como o “Dr Getúlio” personificou aquilo que é mais sagrado para os brasileiros e brasileiras mais pobres: a ideia da “vidinha digna”, sem grandes sustos, sem devaneios revolucionários. Apenas uma vidinha digna.

Lula já está monumentalizado, para o desespero de seus detratores de esquerda e de direita. Ninguém mais no Brasil fará política no campo progressista sem reivindicar o legado do lulismo. O lulismo, tal como o trabalhismo, é insuperável. Qualquer avanço será feito a partir do lulismo, jamais contra o lulismo.

Se é assim, por que o PSOL rejeita tanto o lulismo? Por que a simples a manifestação de Lula em apoio à candidatura de Boulos abriu uma crise interna sem precedentes na história do partido carioca?

Nunca devemos subestimar a capacidade das lideranças do PSOL em serem incompetentes na interpretação da realidade. Mas não acho que a resposta esteja na incompetência, não dessa vez.

O problema está na força de uma candidatura de Boulos apoiada por Lula. Boulos talvez seja a liderança brasileira que melhor fez trabalho de base nos últimos vinte anos. E Lula é o Lula. Sem dúvida, seria uma candidatura forte, muito forte.

Com essa candidatura, pela primeira vez o PSOL seria competitivo numa eleição e correria risco de vencer. E se vencesse não teria mais jeito, não daria pra fugir: o PSOL seria obrigado a governar. E governar um país como o Brasil é difícil demais. É mais fácil ser pedra que vidraça.

Referências:
– FERREIRA, Jorge. O imaginário trabalhista: getulismo, PTB e cultura política popular (1945-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
– SINGER, André. Raízes sociais e ideológicas do lulopetismo. Novos Estudos: Novembro de 2009, n° 85
– SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.