Imprensa livre e independente
04 de julho de 2019, 06h13

Ação de Moro contra Glenn Greenwald é “abuso de poder sem cabimento”, dizem jornalistas estrangeiros

"Este tipo de intento de desestabilizar e intimidar um jornalista estrangeiro por fazer o seu trabalho, configura uma violação grave no seu direito de investigar jornalisticamente", diz em nota a Associação de Correspondentes Estrangeiros

Moro e Glenn Greenwald (Montagem)
Uma carta divulgada nesta quarta-feira (3) pela Associação de Correspondentes Estrangeiros (ACE) em apoio ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept, afirma que a investigação conduzida pela Polícia Federal, comandada por Sergio Moro, representa “abuso de poder sem cabimento”. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo “Este tipo de intento de desestabilizar e intimidar um jornalista estrangeiro por fazer o seu trabalho, configura uma violação grave no seu direito de investigar jornalisticamente, além de ser um abuso de poder sem cabimento, especialmente, partindo de uma autoridade que representa...

Uma carta divulgada nesta quarta-feira (3) pela Associação de Correspondentes Estrangeiros (ACE) em apoio ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept, afirma que a investigação conduzida pela Polícia Federal, comandada por Sergio Moro, representa “abuso de poder sem cabimento”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Este tipo de intento de desestabilizar e intimidar um jornalista estrangeiro por fazer o seu trabalho, configura uma violação grave no seu direito de investigar jornalisticamente, além de ser um abuso de poder sem cabimento, especialmente, partindo de uma autoridade que representa a justiça”, diz a carta.

A investigação conduzida pela PF de Moro solicitou ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que levante dados sobre as contas de Glenn. Para os colegas da imprensa internacional, a apuração “fere a liberdade de imprensa”.

“A investigação formal de Greenwald por parte de uma entidade subordinada ao ministro Sérgio Moro, principal citado nas reportagens, é grave e fere a liberdade de imprensa, situação que não corresponde à de um governo eleito democraticamente”.

Veja também:  Assista ao vivo: Jornalista Glenn Greenwald participa de audiência na CCJ do Senado

Leia a carta na íntegra

Carta dos correspondentes estrangeiros em defesa do colega Glenn Greenwald

A Associação de Correspondentes Estrangeiros (ACE), que reúne jornalistas da imprensa internacional, em São Paulo, manifesta a sua extrema preocupação com as informações veiculadas na imprensa brasileira, sobre as investigações que a Polícia Federal está realizando sobre a situação financeira do colega Glenn Greenwald, que configuram pressão por conta da série de reportagens desenvolvidas pelo The Intercept, em colaboração com destacados veículos nacionais, entre eles, o maior jornal do país.

A investigação formal de Greenwald por parte de uma entidade subordinada ao ministro Sérgio Moro, principal citado nas reportagens, é grave e fere a liberdade de imprensa, situação que não corresponde à de um governo eleito democraticamente.

Este tipo de intento de desestabilizar e intimidar um jornalista estrangeiro por fazer o seu trabalho, configura uma violação grave no seu direito de investigar jornalisticamente, além de ser um abuso de poder sem cabimento, especialmente, partindo de uma autoridade que representa a justiça.

Pedimos ao ministro Sérgio Moro, que reconsidere e suspenda imediatamente esses procedimentos por ferirem os princípios da democracia.

Associação dos Correspondentes Estrangeiros (ACE)

São Paulo, 3 de Julho de 2019

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum