Imprensa livre e independente
18 de junho de 2019, 18h49

Acusados por tragédia da boate Kiss irão a júri popular, decide o STJ

Tribunal decidiu que réus pela morte de 242 pessoas durante festa assumiram o risco de matar ao utilizar sinalizador no interior da boate

Boate Kiss (Reprodução)
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira (18) mandar os acusados pelo incêndio na boate Kiss ao Tribunal de Júri. Com a decisão, caberá agora à Justiça em Santa Maria (RS) definir os próximos passos do processo e marcar o júri popular. A defesa dos réus ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), segundo reportagem de Luiz Felipe Barbiéri e Mariana Oliveira para o site G1. No entendimento dos ministros da Sexta Turma do tribunal, os elementos indicam que os responsáveis pela boate e os músicos da banda que tocava na noite no incêndio tiveram o chamado...

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira (18) mandar os acusados pelo incêndio na boate Kiss ao Tribunal de Júri. Com a decisão, caberá agora à Justiça em Santa Maria (RS) definir os próximos passos do processo e marcar o júri popular. A defesa dos réus ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), segundo reportagem de Luiz Felipe Barbiéri e Mariana Oliveira para o site G1.

No entendimento dos ministros da Sexta Turma do tribunal, os elementos indicam que os responsáveis pela boate e os músicos da banda que tocava na noite no incêndio tiveram o chamado dolo eventual, ou seja, assumiram o risco de matar. Quatro ministros da turma votaram nesse sentido.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A tragédia ocorreu em janeiro de 2013 na cidade de Santa Maria (RS) e deixou 242 mortos e 636 feridos, a maioria jovens universitários, muitos da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) que estavam em uma festa na boate.

Veja também:  Deltan Dallagnol planejou usar esposa como “laranja” em empresa de palestras

No fim de 2017, a Justiça gaúcha considerou que os quatro acusados deveriam ser julgados por um juiz de vara criminal da primeira instância, em Santa Maria, por homicídio culposo – quando não há intenção de matar. A Constituição prevê júri popular somente em caso de homicídio doloso.

A decisão foi revertida nesta terça-feira por solicitação de recurso do Ministério Público (MP) e da associação de familiares das vítimas. Elisandro Spohr e Mauro Hoffmann, sócios da boate, e Marcelo Santos e Luciano Bonilha, integrantes da banda que tocava na noite do incêndio, irão a júri popular. Todos negaram ter conhecimento dos riscos e, atualmente, respondem ao processo em liberdade.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum