Imprensa livre e independente
05 de dezembro de 2015, 13h12

Alckmin publica decreto que revoga “reorganização” escolar

Decreto divulgado neste sábado (5) no Diário Oficial de São Paulo invalida outro, publicado na terça-feira (1), que oficializava o plano de "reorganização" da rede estadual de ensino. Para advogado, embora fato seja "conquista histórica", estudantes secundaristas devem permanecer alertas para evitar "o mesmo processo autoritário e intransigente" no ano que vem

Decreto divulgado neste sábado (5) no Diário Oficial de São Paulo invalida outro, publicado na terça-feira (1), que oficializava o plano de “reorganização” da rede estadual de ensino. Para advogado, embora fato seja “conquista histórica”, estudantes secundaristas devem permanecer alertas para evitar “o mesmo processo autoritário e intransigente” no ano que vem Por Anna Beatriz Anjos O governador Geraldo Alckmin (PSDB) publicou, neste sábado (5), no Diário Oficial de São Paulo, o decreto nº 61.692, que revoga o plano de reorganização da rede estadual de ensino imposto por sua gestão no final de setembro. A nova determinação invalida outra, de número 61.672, divulgada na...

Decreto divulgado neste sábado (5) no Diário Oficial de São Paulo invalida outro, publicado na terça-feira (1), que oficializava o plano de “reorganização” da rede estadual de ensino. Para advogado, embora fato seja “conquista histórica”, estudantes secundaristas devem permanecer alertas para evitar “o mesmo processo autoritário e intransigente” no ano que vem

Por Anna Beatriz Anjos

decreto-reorganizaçãoO governador Geraldo Alckmin (PSDB) publicou, neste sábado (5), no Diário Oficial de São Paulo, o decreto nº 61.692, que revoga o plano de reorganização da rede estadual de ensino imposto por sua gestão no final de setembro.

A nova determinação invalida outra, de número 61.672, divulgada na terça-feira (1), que autorizava a transferência de “integrantes do Quadro de Pessoal” da Secretaria de Educação do Estado “nos casos em que as escolas da rede estadual deixarem de atender 1 (um) ou mais segmentos, ou, quando passarem a atender novos segmentos”. Este era considerado o decreto que oficializava a reorganização.

Na tarde de ontem (4), Alckmin anunciou, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, a suspensão do polêmico replanejamento educacional, que, em 2016, será discutido “escola por escola”. O recuo do tucano foi recebido em tom de vitória pelos estudantes, que decidiram, no entanto, manter as ocupações nos colégios.

Veja também:  A Lava Jato é um partido sem legenda

“O único decreto que Alckmin publicou sobre a reorganização tratava sobre o remanejamento dos funcionários da Secretaria de Educação. Não houve nenhuma publicação específica relativa ao fechamento das escolas ou de ciclos de ensino”, explica o advogado Ariel de Castro Alves. “Era mais um assunto político. O decreto que oficializou [a reorganização] foi esse do começo da semana, mas não delimitou o que correria de fato, quais escolas seriam fechadas e quais sofreriam mudanças de ciclo.”

Por isso, para Alves, os secundaristas devem continuar atentos aos próximos movimentos do governador. “É possível [que a reorganização seja retomada em 2016]. O governo não publicou claramente como serão as discussões, se ocorrerão audiências públicas. Poderia publicar um decreto tratando de como se dará a participação dos estudantes, pais, professores e demais servidores da Educação”, argumenta. “O movimento precisa estar em alerta, organizado e se reunindo para que no ano que vem não ocorra o mesmo processo autoritário e intransigente.”

Apesar do alerta, o advogado ressaltou a importância do movimento criado pelos estudantes. “É uma conquista histórica. No começo, acredito que nem eles esperavam que o movimento crescesse tanto. Ele acabou sendo legitimado pelas próprias ações judiciais, o que nunca havia acontecido em São Paulo”, destaca.

Veja também:  Toffoli quer que Moro e Polícia Federal digam se há investigação contra Glenn

(Foto de capa: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum