Imprensa livre e independente
23 de fevereiro de 2019, 12h39

Alexandre Garcia se comporta no Twitter como porta-voz informal do governo

Garcia complementou tuite de Ernesto Araújo explicando o termo “presidente encarregado”, usado para se referir ao golpista venezuelano Juan Guaidó

(Foto: Reprodução TV)
O jornalista Alexandre Garcia, recém-saído da Rede Globo, e que também foi porta-voz do governo do ditador João Baptista Figueiredo, na década de 70, não nega origem. Neste sábado (23), através da sua conta do Twitter, o jornalista agiu mais uma vez como porta-voz, desta vez do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. Garcia complementou tuite de Araújo explicando o termo “presidente encarregado”, usado para se referir ao golpista venezuelano Juan Guaidó, que se auto proclamou presidente. Na linguagem brasileira, “presidente encarregado” equivale a presidente interino. Na vacância de presidente e vice, por término de mandato, assume o presidente, no...

O jornalista Alexandre Garcia, recém-saído da Rede Globo, e que também foi porta-voz do governo do ditador João Baptista Figueiredo, na década de 70, não nega origem.

Neste sábado (23), através da sua conta do Twitter, o jornalista agiu mais uma vez como porta-voz, desta vez do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo.

Garcia complementou tuite de Araújo explicando o termo “presidente encarregado”, usado para se referir ao golpista venezuelano Juan Guaidó, que se auto proclamou presidente.

“Na linguagem brasileira, “presidente encarregado” equivale a presidente interino. Na vacância de presidente e vice, por término de mandato, assume o presidente, no caso, da Assembleia Nacional.”

Sob o governo de Jair Bolsonaro, o Brasil vem se alinhando aos interesses da política externa norte-americana em uma ação militar contra a Venezuela tem sido defendida por setores do governo e por Carlos Bolsonaro, filho do presidente. Ação militar, por enquanto, é rechaçada até mesmo pelos militares da cúpula governista.

Veja também:  Bolsonaro pode acabar com Ancine por considerar projetos aprovados como “absurdos”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum