Imprensa livre e independente
16 de janeiro de 2017, 14h03

Anvisa registra pela primeira vez remédio à base de maconha

A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de registrar o primeiro medicamento à base de Maconha (Cannabis Sativa) no Brasil. O medicamento servirá para tratar espasticidade - rigidez excessiva dos músculos - em pacientes com esclerose múltipla.

A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de registrar o primeiro medicamento à base de Maconha (Cannabis Sativa) no Brasil. O medicamento servirá para tratar espasticidade – rigidez excessiva dos músculos – em pacientes com esclerose múltipla. Da Redação com informações do G1 A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de registrar o primeiro medicamento à base de Maconha (Cannabis Sativa) no Brasil. O medicamento servirá para tratar espasticidade – rigidez excessiva dos músculos – em pacientes com esclerose múltipla. A droga já é aprovada em outros 28 países, incluindo Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Suíça e Israel, onde...

A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de registrar o primeiro medicamento à base de Maconha (Cannabis Sativa) no Brasil. O medicamento servirá para tratar espasticidade – rigidez excessiva dos músculos – em pacientes com esclerose múltipla.

Da Redação com informações do G1

A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de registrar o primeiro medicamento à base de Maconha (Cannabis Sativa) no Brasil. O medicamento servirá para tratar espasticidade – rigidez excessiva dos músculos – em pacientes com esclerose múltipla.

A droga já é aprovada em outros 28 países, incluindo Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Suíça e Israel, onde é conhecido por Sativex.

A Anvisa alerta que o medicamento não é indicado para tratar epilepsia nem pode ser consumido por pessoas com menos de 18 anos. Até então, a Anvisa somente liberava a importação de medicamentos à base de Cannabis sativa comprados em outros países, mas não havia um produto dessa categoria com registro no país.

Com o nome comercial Mevatyl, o medicamento contém tetraidrocanabinol (THC) em concentração de 27 mg/mL e canabidiol (CBD) em concentração de 25 mg/mL.

Veja também:  Empresa canadense desenvolve avião feito e movido a maconha

Próximos passos

A partir do registro do medicamento pela Anvisa, é necessário aguardar a determinação do preço do produto pelo Comitê Técnico Executivo da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão coordenado pela Anvisa e composto por representantes dos ministérios da Fazenda, Saúde, Justiça, Desenvolvimento e Casa Civil. Só após essa definição é que o medicamento poderá começar a ser vendido no país.

Ele será fabricado pela GW Pharma Limited, do Reino Unido, e distribuído no Brasil pela empresa Beaufour Ipsen Farmacêutica.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum