Imprensa livre e independente
05 de junho de 2015, 15h21

Apenas dois dos dez acusados pelo atentado a Malala foram condenados

Os outros oito militantes do Talebã foram "secretamente absolvidos", segundo BBC; em abril, autoridades paquistanesas informaram que os dez homens haviam sido condenados

Os outros oito militantes do Talebã foram “secretamente absolvidos”, segundo BBC; em abril, autoridades paquistanesas informaram que os dez homens haviam sido condenados Por Redação Oito dos dez militantes do Talebã presos pelo ataque à ativista Malala Yousafza, em 2012, no Paquistão, foram libertados. A descoberta, feita pela BBC, contraria a informação, divulgada em abril, de que todos os agressores teriam sido condenados a 25 anos de prisão. Fontes ouvidas pela BBC – incluindo o chefe de polícia da região do Vale de Swat, onde ocorreu o atentado – confirmaram que apenas dois dos homens foram sentenciados. O julgamento foi realizado a portas fechadas e numa...

Os outros oito militantes do Talebã foram “secretamente absolvidos”, segundo BBC; em abril, autoridades paquistanesas informaram que os dez homens haviam sido condenados

Por Redação

Oito dos dez militantes do Talebã presos pelo ataque à ativista Malala Yousafza, em 2012, no Paquistão, foram libertados. A descoberta, feita pela BBC, contraria a informação, divulgada em abril, de que todos os agressores teriam sido condenados a 25 anos de prisão.

Fontes ouvidas pela BBC – incluindo o chefe de polícia da região do Vale de Swat, onde ocorreu o atentado – confirmaram que apenas dois dos homens foram sentenciados. O julgamento foi realizado a portas fechadas e numa instalação militar. De acordo com a reportagem, a sentença não foi publicada devido à legislação que proíbe a divulgação de informações detalhadas sobre casos de terrorismo.

Muneer Ahmed, porta-voz da representação diplomática do Paquistão em Londres, afirmou que os outro oito acusados foram libertados por “falta de provas”. Ele explica que o “engano” ocorreu graças a uma falha de comunicação, já que os documentos do tribunal haviam registrado a absolvição. A polêmica em torno da situação começou quando, nesta semana, o jornal britânico Daily Mail tentou localizar os dez acusados em prisões dos país.

Malala foi vítima do Talebã aos 15 anos por defender em seu blog o direito de meninas terem acesso à educação em seu país, o que vai contra a agenda extremista do grupo. Ela voltava da escola quando os militantes entraram no ônibus e atiraram em sua cabeça à queima-roupa. Uma das vencedoras do Prêmio Nobel da Paz em 2014, ela vive atualmente com sua família na Inglaterra, pois ainda recebe ameaças de morte.

Veja também:  Freixo explica como a reforma da Previdência vai tirar mais de quem tem menos

(Foto: ONU)

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum