Imprensa livre e independente
01 de abril de 2019, 09h26

Após agressões em ato contra “regime militar genocida”, Democracia Corintiana reitera luta contra “tirania” do bolsonarismo

Em nota, coletivo Democracia Corinthiana relata ter reagido a fascistas que empunhavam sprays de pimenta, bastões de madeira e até um aparelho manual de eletrochoque

Coletivo Democracia Corintiana reafirma luta contra tirania bolsonarista (Reprodução)
O Coletivo Democracia Corintiana relata que seus membros sofreram agressões, neste domingo (31), durante ato contra o “regime militar genocida” iniciado com o golpe de 1964. Sprays de pimenta, bastões de madeira e até um aparelho manual de eletrochoque teriam sido usados contra mulheres do grupo, em frente a uma estação de metrô, de acordo com nota publicada nas redes sociais do grupo. Os ataques são atribuídos a um grupo fascista e incluíram também ofensas e xingamentos. “Chamaram nossas companheiras de ‘putas feministas’ e essa provocação só mostra que estamos incomodando o patriarcado, os machistas e os adeptos da misoginia”....

O Coletivo Democracia Corintiana relata que seus membros sofreram agressões, neste domingo (31), durante ato contra o “regime militar genocida” iniciado com o golpe de 1964. Sprays de pimenta, bastões de madeira e até um aparelho manual de eletrochoque teriam sido usados contra mulheres do grupo, em frente a uma estação de metrô, de acordo com nota publicada nas redes sociais do grupo.

Os ataques são atribuídos a um grupo fascista e incluíram também ofensas e xingamentos. “Chamaram nossas companheiras de ‘putas feministas’ e essa provocação só mostra que estamos incomodando o patriarcado, os machistas e os adeptos da misoginia”.

Como já noticiado pela Fórum, a ofensa relatada partiu de Isabella Trevisani, advogada que tentou se eleger deputada estadual.

O coletivo informa ainda que, em legítima defesa, seus integrantes reagiram para cessar o “ataque covarde”, enfrentando “um grupo numeroso de bolsonaristas”.

“Toda vez que mexerem em nosso vespeiro, sentirão os ferrões de quem preza a democracia, a liberdade e a civilidade. Não nos calaram hoje, não nos calarão jamais”, diz a nota.

Veja também:  Saiba quem é Danilo Faggian, advogado que iniciou movimento de censura a Miriam Leitão

A Democracia Corintiana encerra, pontuando que ajudou a vencer a ditadura militar imposta em 1964 e seguirá cumprindo a missão para derrotar “a irracionalidade e a tirania do bolsonarismo”.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum