Imprensa livre e independente
14 de abril de 2019, 13h33

Após dizer que é possível perdoar Holocausto, Bolsonaro tenta se retratar com israelenses

Em carta enviada à embaixada israelense no Brasil, presidente diz que querem o "afastar dos amigos judeus"; no sábado (13), Museu do Holocausto e presidente de Israel teceram críticas a Bolsonaro

Bolsonaro em visita a Israel (Alan Santos/PR)
Na noite deste sábado (13), após a péssima repercussão de suas declarações sobre o Holocausto, o presidente Jair Bolsonaro enviou um mensagem à embaixada israelense no Brasil em que tenta se retratar. “Deixei escrito no livro de visitantes do Memorial do Holocausto em Jerusalém: ‘AQUELE QUE ESQUECE SEU PASSADO ESTÁ CONDENADO A NÃO TER FUTURO’. Portanto, qualquer outra interpretação só interessa a quem quer me afastar dos amigos judeus. Já o perdão, é algo pessoal, nunca num contexto histórico como no caso do Holocausto, onde milhões de inocentes foram mortos num cruel genocídio”, diz a mensagem. Na sexta-feira, em um evento com...

Na noite deste sábado (13), após a péssima repercussão de suas declarações sobre o Holocausto, o presidente Jair Bolsonaro enviou um mensagem à embaixada israelense no Brasil em que tenta se retratar.

“Deixei escrito no livro de visitantes do Memorial do Holocausto em Jerusalém: ‘AQUELE QUE ESQUECE SEU PASSADO ESTÁ CONDENADO A NÃO TER FUTURO’. Portanto, qualquer outra interpretação só interessa a quem quer me afastar dos amigos judeus. Já o perdão, é algo pessoal, nunca num contexto histórico como no caso do Holocausto, onde milhões de inocentes foram mortos num cruel genocídio”, diz a mensagem.

Na sexta-feira, em um evento com evagélicos, o capitão da reserva afirmou que é possível perdoar o Holocausto, mas não esquecê-lo.

Para muitos, a declaração do presidente brasileiro minimiza  o genocídio de mais de 6 milhões de judeus promovido pelos nazistas. Tanto é que sua mensagem foi motivada pela retaliação do Museu do Holocausto em Israel à sua fala sobre o assunt. “Não é direito de nenhuma pessoa determinar se crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados”, diz a nota do museu”, diz nota divulgada pelo memorial.

Veja também:  Bolsonaro volta a criticar Inpe por dados sobre desmatamento: "propaganda negativa"

Até mesmo o presidente israelense se pronunciou sobre o assunto. “Nós sempre iremos nos opor a aqueles que negam a verdade ou aos que desejam expurgar nossa memória —nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou premiês. Nós nunca vamos perdoar nem esquecer”, escreveu, em seu Twitter, Reven Rivlin.

Nazismo de esquerda 

A fala de Bolsonaro sobre o Holocausto veio apenas dez dias após a visita que fez ao Museu que hoje o rebateu. Logo após conhecer o local, o presidente brasileiro reafirmou que o nazismo foi um movimento de esquerda.

A posição do capitão da reserva gerou revolta entre judeus, entidades judaicas e defensores dos direitos humanos ao redor do mundo.

Em entrevista à Fórum, um historiador alemão falou sobre como esse tipo de retórica sobre o nazismo de Bolsonaro repercute em seu país. Confira aqui.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum