Imprensa livre e independente
11 de abril de 2019, 21h18

Após prisão de Assange, WikiLeaks libera todos os documentos secretos

São milhares de dados sigilosos de governos de inúmeros países, incluindo Estados Unidos e Brasil

Foto: Reprodução
Por solicitação do próprio Julian Assange, preso nesta quinta-feira (11), na embaixada do Equador, em Londres, o WikiLeaks liberou o acesso a todos os documentos de seu arquivo. São milhares de dados secretos de governos de inúmeros países, incluindo o Brasil. Entre os documentos, constam informações sigilosas sobre o governo dos Estados Unidos, o que provocou a irã norte-americana e o pedido de extradição do fundador do WikiLeaks. Um representante da polícia de Londres declarou que a prisão tem relação com um pedido de extradição contra Assange feito pelo governo norte-americano. Nos Estados Unidos, ele é investigado pelo vazamento dos...

Por solicitação do próprio Julian Assange, preso nesta quinta-feira (11), na embaixada do Equador, em Londres, o WikiLeaks liberou o acesso a todos os documentos de seu arquivo. São milhares de dados secretos de governos de inúmeros países, incluindo o Brasil.

Entre os documentos, constam informações sigilosas sobre o governo dos Estados Unidos, o que provocou a irã norte-americana e o pedido de extradição do fundador do WikiLeaks.

Um representante da polícia de Londres declarou que a prisão tem relação com um pedido de extradição contra Assange feito pelo governo norte-americano. Nos Estados Unidos, ele é investigado pelo vazamento dos documentos.

Os dados brutos mostram contratos, atas de reuniões e documentos. Entretanto, grande parte material já tinha sido divulgada pelo WikiLeaks.

Acesse a íntegra dos documentos aqui

Veja também:  Padre Marcelo é violentamente agredido em missa por mulher que invade palco

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum