Imprensa livre e independente
08 de julho de 2019, 16h02

Arquivos mostram envolvimento de políticos no tráfico durante a ditadura militar

Reportagem mostra que carros oficiais faziam o transporte de armas e drogas em região de fronteira

Uma matéria publicada nesta segunda-feira (8) pelo site The Intercept Brasil mostra que havia uma forte ligação de traficantes de armas e drogas com parlamentares do PSD, partido de direita ligado ao governo militar. Os documentos publicados na reportagem mostram que até mesmo o presidente João Batista Figueiredo tinha conhecimento dessa aproximação, mas nada fez para intervir. O texto do The Intercept abre mostrando que um carro do Poder Legislativo Federal que ia até a fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai e voltava para o Brasil carregado de drogas e armas que seriam distribuídos para o Sudeste...

Uma matéria publicada nesta segunda-feira (8) pelo site The Intercept Brasil mostra que havia uma forte ligação de traficantes de armas e drogas com parlamentares do PSD, partido de direita ligado ao governo militar. Os documentos publicados na reportagem mostram que até mesmo o presidente João Batista Figueiredo tinha conhecimento dessa aproximação, mas nada fez para intervir.

O texto do The Intercept abre mostrando que um carro do Poder Legislativo Federal que ia até a fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai e voltava para o Brasil carregado de drogas e armas que seriam distribuídos para o Sudeste brasileiro. É nesse período do início da década de 1980 que grupos criminosos começam a se organizar, principalmente no Rio de Janeiro.

Os documentos que serviram de base para a matéria eram tidos confidenciais até 2005, quando o então presidente Lula assinou o decreto 5.584 que declarava que todos os arquivos do Serviço Nacional de Informações (SNI), do Conselho de Segurança Nacional e Comissão Geral de Investigações, que estavam de posse da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), fossem mandados para o Arquivo Nacional.

Veja também:  Violência policial: Homem é assassinado no cinema em frente à filha

Os papéis mostram que o então deputado federal pelo Mato Grosso do Sul, Gandi Georges, era um dos agentes do contrabando que era chefiado pelo seu irmão Fahd Jamil Geroges. Ambos tinham uma estreita relação com o governo do estado na época, Pedro Pedrossian. Georges e Pedrosisiam pertenciam ao PDS.

“O relacionamento de amizade de Pedrossian com Fahd Jamil, o qual é conhecido como um dos maiores contrabandistas da área, explorador de cassino e do chamado jogo do bicho, é um aspecto altamente negativo. Este relacionamento além de estar desgastando o PDS tem refletido também negativamente na área federal. Já por algumas vezes servidores do SNI foram indagados ‘se o Serviço Nacional de Informações não vê isso”, mostra um comunicado endereçado ao presidente Figueiredo.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum