Imprensa livre e independente
04 de abril de 2013, 12h36

Artistas levam o lúdico ao Movimento de Sem Teto da Bahia

Veja ensaio fotográfico de ocupações no Pelourinho, em Salvador

Veja ensaio fotográfico de ocupações no Pelourinho, em Salvador Por Jéssica Lemos Na Ladeira do Passo, no Pelourinho, um prédio rosado com florzinhas se destaca dos demais. Essa é uma das ocupações do Movimento de Sem Teto da Bahia- MSTB, um grupo de pessoas que tem como objetivo lutar por uma causa que é lei, o direito a moradia. “Desde o fim da escravidão, os negros foram deixados na rua, sem emprego, sem casa, sem dignidade” destaca a militante Maura Cristina, 52. O MSTB ocupa apenas espaços públicos inutilizados, nunca espaços de propriedade particular. Mas o prédio de número 46...

Veja ensaio fotográfico de ocupações no Pelourinho, em Salvador

Por Jéssica Lemos

Na Ladeira do Passo, no Pelourinho, um prédio rosado com florzinhas se destaca dos demais. Essa é uma das ocupações do Movimento de Sem Teto da Bahia- MSTB, um grupo de pessoas que tem como objetivo lutar por uma causa que é lei, o direito a moradia. “Desde o fim da escravidão, os negros foram deixados na rua, sem emprego, sem casa, sem dignidade” destaca a militante Maura Cristina, 52.

O MSTB ocupa apenas espaços públicos inutilizados, nunca espaços de propriedade particular. Mas o prédio de número 46 localizado na Ladeira do Passo tem um diferencial; este é composto por artistas, músicos, atores, poetas e artesãos. A poetisa Jocelia Fonseca, 30, quando questionada pelos motivos que a levaram a apoiar o movimento, tem uma resposta simples e direta “porque eu não tinha teto, um salário mínimo não é suficiente para sustentar um filho e pagar um aluguel em Salvador”, explica a artista.

Veja também:  Seis meses de Bolsonaro: três debates e três perspectivas atravessam a esquerda

Quando a polícia bate na porta dos ocupantes para desapropriá-los, a lei de direito à moradia é apresentada aos oficiais. Todo cidadão tem direito à moradia, por isso, para colocá-los para fora do prédio público é necessário conceder a eles um lugar para morar, eles não podem ser retirados do local e deixados na rua.

A pequena Inaiá, de 4 anos, abre as portas de sua casa e mostra o quarto que divide com seus irmãos. Sua mãe, Cléa Barbosa, 41, que é poetisa e artesã, chama o marido para compor a foto da família.

O poeta Tiago Oliveira presenteia a visita com um livro que ele próprio escreveu e teve a honra de publicar. Outros livretos são confeccionados com sua própria impressora. Temas como política, direitos humanos e contos infantis, fazem parte de sua obra. O artista faz parte também do Coletivo Poesia Além das 7 Praças, juntamente com a companheira Luciana Estrela.

Diversas outras ocupações são encontradas pelo Centro Histórico, em prédios antigos com uma bandeira escrita: MSTB. O movimento não é uma exclusividade dos baianos, em todo Brasil grupos de pessoas se reúnem com o objetivo reivindicar o direito a moradia.

Família de Hercules (artesão) e Cléa Barbosa (poetisa) com seus 3 filhos que também moram na ocupação

” Faço parte do MSTB porque eu não tinha teto, um salário mínimo não é suficiente para sustentar um filho e pagar um aluguel em Salvador”

Inaiá, 4 anos

Maura Cristina, 52, liderança da ocupação

 

Veja também:  Bolsominions viram meme ao confundir bandeira do Maranhão com a de Cuba em vídeo de Alcione

Veja a íntegra do ensaio fotográfico realizado por Jéssica Lemos AQUI.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum