Imprensa livre e independente
17 de fevereiro de 2019, 21h21

“As pessoas estão curiosas para entender o que acontece no Brasil”, diz cineasta premiada em Berlim

Ainda na Alemanha, Eliza Capai revela à Fórum que os debates sobre o filme a ajudaram a entender melhor o momento político brasileiro

Foto: Divulgação
O cinema brasileiro está fazendo bonito no tradicional Festival de Berlim (Berlinale), na Alemanha. O filme “Espero Tua (Re)Volta”, que aborda as ocupações dos estudantes secundaristas, exigindo educação de qualidade nas escolas de São Paulo em 2015, conquistou o importante prêmio da Anistia Internacional e da Paz. Ainda em Berlim, a diretora Eliza Capai, em entrevista à Fórum, ressalta a importância de ser uma porta-voz das questões sociais brasileiras. Segundo Eliza, a receptividade à sua produção foi ótima. “Eu cheguei aqui muito ansiosa, nervosa sem saber se as pessoas iriam entender o filme. Nossa estreia foi em um cinema na Casa...

O cinema brasileiro está fazendo bonito no tradicional Festival de Berlim (Berlinale), na Alemanha. O filme Espero Tua (Re)Volta”, que aborda as ocupações dos estudantes secundaristas, exigindo educação de qualidade nas escolas de São Paulo em 2015, conquistou o importante prêmio da Anistia Internacional e da Paz.

Ainda em Berlim, a diretora Eliza Capai, em entrevista à Fórum, ressalta a importância de ser uma porta-voz das questões sociais brasileiras.

Segundo Eliza, a receptividade à sua produção foi ótima. “Eu cheguei aqui muito ansiosa, nervosa sem saber se as pessoas iriam entender o filme. Nossa estreia foi em um cinema na Casa de Cultura, que tem mais de mil lugares e estava lotado. Quando acabou a sessão, as pessoas aplaudiram de pé, e isso se repetiu na segunda sessão. Aconteceram quatro sessões e mais duas no domingo (17), todas lotadas”, revela a diretora.

“É emocionante viver isso. Nesses dias aqui em Berlim houve debates muito fortes. As pessoas estão curiosas para entender o que está acontecendo no Brasil. Eu me esforcei muito para contar fatos. E ao contar o que era fato, em inglês, para pessoas que não estão em nenhum dos dois lados do Fla-Flu e me escutar falando essas coisas eu fui levando um susto muito grande com o que a gente está vivendo agora no Brasil. Isso me ajudou muito a entender esse nosso momento político. Eu me senti muito honrada de servir como porta-voz disso tudo”, diz.

Veja também:  Bolsominions tentam impedir fala de Glenn Greenwald em evento paralelo à Flip

Eliza destaca que já se sentiu recompensada ao ver seu filme selecionado. “Estrear em um festival do tamanho da Berlinale, em uma cidade como Berlim, já é uma grande emoção. Ainda mais por se tratar de um filme que fala sobre lutas estudantis e que discute democracia e escola pública de qualidade, que é um belo cenário para começar essa trajetória”, acrescenta.

Estímulo

Para a diretoria, receber o prêmio da Anistia Internacional por um filme relacionado a direitos humanos vai impulsionar a produção. “Vai nos ajudar na distribuição na Alemanha e em outros países da Europa. Receber o prêmio pela paz, em um filme onde se explodem tantas bombas, por intermédio da polícia, com esse uso de força desproporcional, como a polícia trata os movimentos sociais no geral e, especificamente, os estudantes, é uma honra muito grande”, destaca.

Eliza conta sobre o enredo do filme: “O objetivo número 1 é contar a história dos estudantes secundaristas que ocuparam mais de 200 escolas em São Paulo, por que isso aconteceu e quais as consequências da luta para esses meninos. Então, o filme começa em junho de 2013, quando vários deles foram para a rua pela primeira vez, conta das ocupações de 2015 e termina na eleição de Bolsonaro com a pergunta: O que vai ser desse futuro?”.

Veja também:  Jamil Chade ironiza embaixadores de carreira que bajularam Bolsonaro

Protagonismo

O filme é contado pelos personagens Coca, Nayara e Marcela. Coca é um menino negro, Nayara é uma menina do interior, que abraça as causas LGBT, e Marcela é uma mulher negra.

“Eles são os protagonistas e nesse momento do Brasil, em que a gente vê uma tentativa de falar para os LGBTs voltarem para o armário, para os negros voltarem para a senzala e para as mulheres voltarem para a cozinha, ver essas pessoas protagonistas é muito emocionante.”

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum