Imprensa livre e independente
01 de fevereiro de 2018, 08h13

Assessor de delegada do caso Cancellier é autor de parecer que a inocenta

A decisão que inocenta a delegada Erika Marena de responsabilidade na morte do reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo - que se jogou do sétimo andar de um shopping center de Florianópolis após ser preso por ela sem provas -, foi assinado por um delegado que atua como assessor da própria.

A decisão que inocenta a delegada Erika Marena de responsabilidade na morte do reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo – que se jogou do sétimo andar de um shopping center de Florianópolis após ser preso por ela sem provas -, foi assinado por um delegado que atua como assessor da própria. Da Redação* O delegado Luiz Carlos Korff, responsável por um parecer que recomendou o arquivamento de uma sindicância contra a delegada Erika Mialik Marena, que se notabilizou na Operação Lava Jato, é também o responsável por assessorá-la e os outros delegados de Santa Catarina no contato com a...

A decisão que inocenta a delegada Erika Marena de responsabilidade na morte do reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo – que se jogou do sétimo andar de um shopping center de Florianópolis após ser preso por ela sem provas -, foi assinado por um delegado que atua como assessor da própria.

Da Redação*

O delegado Luiz Carlos Korff, responsável por um parecer que recomendou o arquivamento de uma sindicância contra a delegada Erika Mialik Marena, que se notabilizou na Operação Lava Jato, é também o responsável por assessorá-la e os outros delegados de Santa Catarina no contato com a imprensa. As informações são de Wálter Nunes, da Folha de S.Paulo.

Korff acumula os cargos de chefe do núcleo de correição da PF catarinense, que investiga a conduta dos policiais federais, e também o de diretor de comunicação da entidade, que faz a divulgação das operações, organiza entrevistas dos delegados e fornece informações a jornalistas.

A sindicância contra Erika Marena apurou se houve irregularidades na condução da Operação Ouvidos Moucos, que investiga supostos desvios de verbas do programa de Educação à Distância (EaD) na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

Veja também:  Paulo Henrique Amorim é velado na ABI

O parecer de Luiz Carlos Korff foi o primeiro do processo, corroborado depois por outro de um corregedor e teve a concordância do superintendente regional da PF Germando Di Ciero Miranda, que decidiu arquivar o caso.

A investigação contra Erika Marena teve início em novembro passado, um mês após o suicídio do então reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que se jogou do sétimo andar de um shopping center de Florianópolis. Ele havia sido preso, em 14 de setembro, a pedido da delegada, que o acusou de obstruir uma investigação da corregedoria da universidade.

*Com informações da Folha de S.Paulo e do Brasil 247

Foto: Reprodução

 

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum