Imprensa livre e independente
08 de agosto de 2016, 11h55

Ataque de homem-bomba no Paquistão deixa pelo menos 63 mortos em hospital

Por meio de paquistanês ligado ao Taliban, grupo assumiu autoria do atentando no Hospital de Quetta, na cidade homônima, próximo à fronteira com o Afeganistão nesta segunda (8).

Por meio de paquistanês ligado ao Taliban, grupo dissidente assumiu autoria do atentando no Hospital de Quetta, na cidade homônima, próximo à fronteira com o Afeganistão nesta segunda (8) Por redação Um homem-bomba explodiu no Hospital de Quetta, no Paquistão, nesta segunda-feira (8), e matou pelo menos 53 pessoas, de acordo com a Associeted Press (63, segundo alto funcionário do hospital). Dezenas de pessoas ficaram feridas. A explosão aconteceu quando pelo menos 100 pessoas se reuniam na emergência do hospital, em sua maioria jornalistas e advogados que acompanhavam o corpo de um outro advogado morto a tiros nesta segunda-feira mais...

Por meio de paquistanês ligado ao Taliban, grupo dissidente assumiu autoria do atentando no Hospital de Quetta, na cidade homônima, próximo à fronteira com o Afeganistão nesta segunda (8)

Por redação

Um homem-bomba explodiu no Hospital de Quetta, no Paquistão, nesta segunda-feira (8), e matou pelo menos 53 pessoas, de acordo com a Associeted Press (63, segundo alto funcionário do hospital). Dezenas de pessoas ficaram feridas.

A explosão aconteceu quando pelo menos 100 pessoas se reuniam na emergência do hospital, em sua maioria jornalistas e advogados que acompanhavam o corpo de um outro advogado morto a tiros nesta segunda-feira mais cedo.

O primeiro ministro paquistanês, Nawaz Sharif, disse em entrevista para jornal local que “ninguém poderá perturbar a paz da província”. Recentemente, a província de Quetta sofreu um surto de ataques à advogados.

Veja também:  A aprovação da reforma da Previdência e a revolta com o voto de Tábata Amaral

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum