Imprensa livre e independente
15 de março de 2019, 06h23

Atiradores matam ao menos 49 em mesquitas na Nova Zelândia; ataque foi transmitido ao vivo por matador

Um homem usou um rifle automático para atingir os fieis e transmitiu o massacre, ao vivo, pela internet.

Ataque a mesquitas na Nova Zelândia foi transmitido ao vivo por atirador (Reprodução/Twitter)
Pelo menos 49 pessoas morreram e outras 48 ficaram feridas em ataques simultâneos em duas mesquitas nesta sexta-feira (15) na Nova Zelândia. Um homem usou um rifle automático para atingir os fieis e transmitiu o massacre, ao vivo, pela internet. O vídeo mostra ele atirando sem parar enquanto caminhava. Leia também: Dogolochan: até quando ‘mascus’ vão destilar ódio, ameaças e marcar hora para matar? Ao menos quatro pessoas envolvidas nos ataques foram detidas: três homens – dos quais um seria australiano – e uma mulher. A polícia local informou, porém, que não está descartada a hipótese de que outros agressores estejam...

Pelo menos 49 pessoas morreram e outras 48 ficaram feridas em ataques simultâneos em duas mesquitas nesta sexta-feira (15) na Nova Zelândia. Um homem usou um rifle automático para atingir os fieis e transmitiu o massacre, ao vivo, pela internet. O vídeo mostra ele atirando sem parar enquanto caminhava.

Leia também: Dogolochan: até quando ‘mascus’ vão destilar ódio, ameaças e marcar hora para matar?

Ao menos quatro pessoas envolvidas nos ataques foram detidas: três homens – dos quais um seria australiano – e uma mulher. A polícia local informou, porém, que não está descartada a hipótese de que outros agressores estejam envolvidos e, portanto, foragidos.

Um dos alvos do ataque contra a comunidade muçulmana foi a mesquita de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, no subúrbio de Linwood, em Christchurch.

Outra mesquita atacada foi a Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley. Relatos indicaram novo tiroteio no local.

Dos 49 mortos até agora, 48 morreram baleados nas mesquitas e um foi levado com vida, mas morreu em um hospital. Não foi divulgado ainda as identidades das vítimas.

Veja também:  Depois da Previdência, governo já estuda recriar CPMF em reforma tributária radical

A polícia confirmou que localizou um carro-bomba estacionado na Strickland Street, a cerca de 3 km do Hagley Park.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum