Imprensa livre e independente
15 de março de 2019, 16h36

Audiência pública na Paraíba reúne 5 mil contra reforma da Previdência

A iniciativa do encontro foi da deputada estadual Cida Ramos, que propôs a instalação de uma Frente Parlamentar para debater a reforma no estado

Foto: Keicy Victor
Na manhã desta sexta-feira (15), em João Pessoa (PB), cerca de cinco mil trabalhadores rurais se reuniram em frente à Assembleia Legislativa da Paraíba para discutir a Medida Provisória 871/2019 e a Proposta de Emenda à Constituição 06/2019, que trata da reforma da Previdência Social, segundo a organização do protesto. A iniciativa foi da deputada estadual Cida Ramos (PSB), a mulher mais votada da Paraíba, que também foi responsável pela instalação da Frente Parlamentar da Previdência Social, e reuniu entidades, associações, movimentos sociais, deputados estaduais e federais e a sociedade civil organizada. “É preciso dizer bem alto: esta reforma da...

Na manhã desta sexta-feira (15), em João Pessoa (PB), cerca de cinco mil trabalhadores rurais se reuniram em frente à Assembleia Legislativa da Paraíba para discutir a Medida Provisória 871/2019 e a Proposta de Emenda à Constituição 06/2019, que trata da reforma da Previdência Social, segundo a organização do protesto.

A iniciativa foi da deputada estadual Cida Ramos (PSB), a mulher mais votada da Paraíba, que também foi responsável pela instalação da Frente Parlamentar da Previdência Social, e reuniu entidades, associações, movimentos sociais, deputados estaduais e federais e a sociedade civil organizada.

“É preciso dizer bem alto: esta reforma da previdência não é contra as desigualdades. Isso é fake news. Na verdade, o principal objetivo desta reforma da previdência, através da passagem do sistema de repartição para capitalização, é acabar com a previdência pública, acabar com a seguridade social no Brasil, e engordar os lucros dos grandes bancos”, disse Cida Ramos.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais, Aristides Santos, afirmou que é preciso explicar para os trabalhadores o que a reforma representa. “O governo diz que tem déficit. É mentira. O dinheiro da previdência é desviado para outras coisas. O governo está dizendo agora que vai combater os privilégios. Que privilégios, se a cada três reais que será economizado, dois está saindo do benefício da prestação continuada, da aposentadoria rural e dos servidores públicos? Por trás da reforma tem banqueiro querendo arrecadar dinheiro. Vai tirar dos pobres e vai botar nos bancos. Isso é combater privilégios?”, questionou.

Veja também:  Conversa com Eliza Capai, que lança no Brasil o premiado “Espero tua (Re)volta”

A dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais na Paraíba, Eva Vilma, destacou a o papel do MST nessa luta e reiterou a necessidade de discussões, mobilizações e atos públicos por todo o país. “Hoje tivemos um ato extremamente positivo, que conseguiu colocar o povo na rua. Só assim nós vamos conseguir barrar essa reforma que não é uma reforma da Previdência, mas uma reforma da morte. É fazer com que as pessoas trabalhem até morrer. No MST, nós temos esclarecidos aos nossos agricultores, trabalhadores as mentiras dessa reforma. Nosso papel como movimento social é trazer as pessoas para as ruas e fazer com que a sociedade se una, afinal de contas, somos nós que produzimos os alimentos e sem eles ninguém vive”, argumentou.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum