O que o brasileiro pensa?

#Manoel Herzog

22 de junho de 2020, 13h04

Os Passos de John, por Manoel Herzog

No livro OS PASSOS VERMELHOS DE JOHN, do paranaense Luigi Ricciardi, o escritor americano John dos Passos, expoente da chamada Geração Perdida dos anos 20, visita a cidade de Maringá na década de 50, fato real que serve como ponto de partida da narrativa


02 de março de 2020, 15h03

De José Mauro de Vasconcelos para Helle Alves. E dela para Manoel Herzog

Eu devia ter doze anos e via essas coisas. E sonhava ser, um dia, um escritor popular, amado pelo seu povo na proporção que eu amava meus autores prediletos


08 de outubro de 2019, 15h25

Terrorismo

Manoel Herzog: “A língua, essa entidade viva e dinâmica, tende hoje a associar o termo ‘terrorista’ a algo de santo; todo terrorista que se preza é um criminoso, mas um criminoso ‘do bem’”


23 de setembro de 2019, 15h25

O Fogo na Floresta de Marcelo Ferroni, por Manoel Herzog

Heloísa, a protagonista do romance, foi comparada pela crítica a Emma Bovary, heroína do auge do romance realista, quando a mulher se vingava do carcomido sistema capitalista traindo o marido burguês, ou, quando menos, desprezando-o em prestígio de aventuras vagas


11 de setembro de 2019, 16h05

O Dicionário de Imprecisões de Ana Elisa Ribeiro, por Manoel Herzog

Com uma infinidade de trabalhos publicados, lança agora este Dicionário de Imprecisões, obra em que conjuga suas três competências – poeta, linguista e professora universitária – com delicadeza ímpar


04 de setembro de 2019, 23h02

A poesia que respira

Manoel Herzog “Ao falar dos bichos, Bresciani reporta-se ao mais humano de nós, não como Orwell em sua Revolução, mas como Derrida em O animal que logo sou, fabuloso ensaio em que o filósofo tangencia as grandezas ‘animalidade’ e ‘ser vivente’


29 de agosto de 2019, 23h16

Dicionário de Neologismos

Manoel Herzog: “O Brasil, sob esse governo insano, que 'admorando' levou Moro ao ministério mais improvável, o da Justiça, assiste a um aumento avassalador da pobreza”


15 de agosto de 2019, 22h55

O proletário desnorteado que foi à indigência

Manoel Herzog recomenda o romance "Desnorteio", de Paula Fabrio, “autora fundamental para se compreender a literatura brasileira contemporânea”


31 de julho de 2019, 06h00

Milton Hatoum, o escritor da República, por Manoel Herzog

Milton é o escritor da República, o grande escritor da República, voz que se levanta contra o estado de coisas absurdo que vivemos, forte, mas não violenta, nesta nação que hoje reclama, pra sua redenção, a delicadeza de estilo de um grande mestre


26 de julho de 2019, 06h00

A terceira margem do tempo – Adri Aleixo

Manoel Herzog: “Adri Aleixo não faz aqui nenhuma tentativa de subordinar a poesia à imagem, antes a poesia dimensiona a imagem, registrada com notável competência por Lori Figueiró, mas requalificada pela lente da poeta, filtro apurado de uma margem invisível”


18 de julho de 2019, 06h00

Os ataques a Glenn Greenwald: a Flip e o código do consumidor que nos restou

Aconselho a todo e qualquer indivíduo que tenha ali estado que processe a direção da festa, e mais a prefeitura de Paraty, e mais o Estado do Rio de Janeiro, que foi omisso na figura de sua polícia. Há direito a ressarcimento, uns caraminguás


04 de julho de 2019, 06h39

A delicadeza rude da poesia de Adriane Garcia, em “Garrafas ao Mar”

Da ilha da Poeta saem mensagens de dor, de revolta, de agonia, dos abismos profundos de que é feita a Literatura. Particularmente, um tributo ao movimento das mulheres, um dos mais resistentes nestes tempos de machismo e estupidez brabos que vivenciamos


14 de junho de 2019, 15h49

O álbum “TerraMar”, de Julinho Bittencourt, por Manoel Herzog

“Terra Mar” é exatamente isso que o nome reivindica, a fusão de duas forças antagônicas que geram a cultura de uma nação, a recepção da cultura de fora e sua ingestão antropofágica e regurgitada como Brasil


08 de junho de 2019, 08h25

A Paraíba desconstruindo a pauta de gênero, por Manoel Herzog

Na Paraíba vive uma dupla improvável, Roberto Menezes, escritor e físico nuclear de profissão, e Maria Valéria Resende, santista de nascimento, escritora e freira agostiniana de profissão


30 de maio de 2019, 06h00

RIP, Gabriel Diniz, por Manoel Herzog

A heroína Jenifer é levemente obesa, o que também desconstrói todo um império da beleza fitness inculcado a fórceps no imaginário popular. Jenifer é música de resistência, cantada com humor, com sabedoria, pelo jovem artista que tão precocemente nos deixou