Blog do Rovai

29 de agosto de 2016, 16h49

A defesa de Dilma no teatro golpista

O golpe foi todo desenhado para que o seu fim fosse um pouco esse. Com senadores falando, com o presidente do Supremo mediando e com a mídia cobrindo sem muito interesse o episódio.

Um golpe com as características do atual, que é midiático-parlamentar, pode começar aos berros e xingamentos, mas quando está chegando ao seu final necessita de um certo lustro. De um ar de legalidade.

A participação de Dilma na sessão de hoje do Senado foi construída para ser o papel de presente do atual velório democrático. O invólucro bonito que esconde um presente de grego, o cavalo de tróia que tem por objetivo fazer de conta que tudo o que está em curso é apenas um processo sério e institucional.

Diferente do espetáculo asqueroso da votação da aceitação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, este julgamento no Senado tem ares civilizados.

Ninguém berrou com a presidenta, ninguém falou da mãe, do pai, do filho ou do espírito santo nas suas perguntas e ninguém sambou com a bandeira nacional, a despeito de a senadora Ana Amélia ter ido vestida de verde amarelo e ter ficado com a Constituição na mão durante seu embate com Dilma.

Veja também:  Cartas do Pai: “Movimento dos Sem Remédios”

Aliás, embate não. Ana Amélia foi demolida por Dilma. A resposta que deu à gaúcha foi uma das mais diretas e demolidoras. Inclusive porque foi ali que Dilma demonstrou de forma clara os aspectos do golpe.

Dilma fez o que podia fazer e mesmo não tendo finalizado sua participação, dificilmente conseguirá mudar o destino do que já estava escrito nas nuvens escuras do golpismo.

O golpe foi todo desenhado para que o seu fim fosse um pouco esse. Com senadores falando, com o presidente do Supremo mediando e com a mídia cobrindo sem muito interesse o episódio.

A Globo, por exemplo, que dedicou seu domingo inteiro para o julgamento na Câmara, não mudou sua programação de uma segunda-feira pra transmitir o debate com a presidenta.

Não interessa.

Interessa apenas dar a versão no Jornal Nacional, com os comentários dos analistas dependentes da emissora. Aqueles que falam o que o dono quer porque o dono é quem manda.

E na versão deles, Dilma não vai ter dito nada de novo.

Nada que justifique a mudança do teatro golpista.

Veja também:  "Só reforça o que falamos", diz defesa de Lula sobre diretor da Odebrecht coagido pela Lava Jato

A defesa de Dilma ainda em curso no Senado está sendo muito bem feita. Muito boa. Mas o fim dessa peça só seria alterada com muita gente na rua.

O que não aconteceu.

E com o que foi possível fazer, vamos ter que sair deste capítulo da história buscando fôlego para lutar no capítulo seguinte.

Nos dias que virão e que duros serão.

E para esses dias a defesa de Dilma que foi feita hoje será fundamental. Porque ela está deixando claro o que virá e por que está sendo vítima deste atentado democrático.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum