Blog do Rovai

08 de novembro de 2010, 20h24

A politização das tecnologias

O meu amigo Rodrigo Savazoni produziu um artigo pra divulgar dois importantes eventos que acontecem em São Paulo nos próximos dias. Estarei por lá em algumas das atividades. Esse tipo de articulação é fundamental para que a gente dê passos importantes no sentido da democratização da mídia explorando as possibilidades da internet.

Tecnologias são o resultado do nosso impulso humano de transformar o ambiente em que vivemos, tornando-o assim mais “adequado” às nossas necessidades. Por isso, cada nova tecnologia criada é reflexo de uma época, de um contexto, de uma forma de pensar. E o que fazemos com elas estabelece seus significados.

Numa sociedade como a nossa, em que criar novas tecnologias tornou-se sinal de prosperidade, aumenta a importância de se debater as implicações que essa acelerada evolução tecnológica tem nas nossas vida. E o lugar que reservamos para discutir os temas que são de interesse comum é a política, que parece ainda não ter despertado integralmente para a importância do assunto.

Veja também:  A mídia convencerá o povo a apoiar as privatizações, como fez com a reforma da Previdência?

O Ministério da Cultura está organizando dois eventos que irão se debruçar sobre o tema política e tecnologia, mas com ênfases distintas.

Um deles, a se realizar entre os dias 11 e 13, é o Seminário Geopolítica da Cultura e da Tecnologia, iniciativa do sociólogo Laymert Garcia dos Santos, da Unicamp, autor de um livro chamado Politizar as Novas Tecnologias, e do ex-ministro Gilberto Gil.

Saiba mais acessando: www.geopoliticadacultura.org.br

Esse encontro irá reunir pensadores do mundo inteiro, em especial dos chamados BRICS (sigla para Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para pensar a relação entre a tecnologia, a cultura e a geopolítica global. Os organizadores desse diálogo global acreditam que o avanço tecnológico apresenta novos riscos e possibilidades que só podem ser compreendidos a partir das complexas relações internacionais entre estados e sociedades.

O outro evento é a 2ª edição do Fórum da Cultura Digital Brasileira, que ocorre entre os dias 14 e 17 de novembro. Processo criado em julho de 2009 pelo Ministério da Cultura em parceria com a sociedade civil organizada e apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), o Fórum se constituiu como uma rede permanente de desenvolvimento de políticas públicas de cultura, interconectando diferentes redes de ativismo e formulação cultural.

Veja também:  O que Reinaldo Azevedo quis "insinuar" para Dallagnol

Saiba mais em: www.culturadigital.br/forum2010

Tenho orgulho de ser um dos criadores dessa experiência que organiza os debates políticos sobre cultura e tecnologia na rede social CulturaDigital.br (www.culturadigital.br), que este ano recebeu menção honrosa no mais importante prêmio de arte e tecnologia europeu, o Ars Electronica, que é entregue em Linz, na Áustria.

O encontro presencial do Fórum será composto por um volume enorme de atividades, como mostras artísticas, apresentação de experiências e pesquisas, debates acalorados sobre os principais temas do momento, além de um seminário internacional.

Entre um evento e outro, será realizado o show Futurível, com Gilberto Gil, DJ Tudo e Macaco Bong, comemorando a expressividade global da Cultura Digital brasileira. O show será realizado no Auditório Ibirapuera. Futurível encerra o seminário Geopolítica da Cultura e da Tecnologia e abre o Fórum da Cultura Digital Brasileira.

As duas atividades desta verdadeira semana da cultura digital irão ocorrer na Cinemateca Brasileira, que, além de ser um dos mais belos edifícios de São Paulo, vem se revelando na gestão de Carlos Magalhães um polo de reflexão e promoção de discussões envolvendo a arte e a tecnologia.

Veja também:  Censura a Miriam Leitão é ação da Ku Klux Klan ideológica tupiniquim

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum