Blog do Rovai

18 de maio de 2017, 07h53

Aécio teria dito em gravação que mataria seu primo se ele fosse delatá-lo

O primo de Aécio recebeu o dinheiro do diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, que também firmou acordo de delação premiada.

Há um trecho, no pequeno trecho da gravação que vem sendo divulgada pela mídia, da conversa entre um dos donos da JBS, Joesley Batista, e o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, que mostra o nível do senador e até onde ele seria capaz de chegar.

Após o acerto do pagamento, Joesley perguntou quem seria o responsável por pegar as malas com o dinheiro:

— Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança — teria proposto Joesley.

Em resposta ao questionamento, Aécio indicou seu primo para receber o dinheiro e disse:

— Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho.

O primo de Aécio recebeu o dinheiro do diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, que também firmou acordo de delação premiada.

Veja também:  Vaza Jato: Dallagnol sugeriu que Moro protegeria Flávio para não desagradar Bolsonaro

Desde o início da operação Lava Jato algumas pessoas morreram de forma suspeita. Uma delas foi o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, que era o relator da operação.

Policial Civil teve morte suspeita

No dia 26 de março do ano passado o policial Lucas Gomes Arcanjo, que estava afastado por licença médica, foi encontrado morto na janela de seu quarto com uma gravata enrolada no pescoço. Ele tinha dificuldades para andar e usava muletas devido a sequelas deixada por um dos quatro atentados que sofreu, desde 2002, como suposta retaliações às denúncias que o tornaram famoso.

Pelas redes sociais, o policial postava vídeos em que denunciava caciques tucanos de Minas Gerais com uma atenção especial ao senador Aécio Neves. De acordo com o policial, que inclusive havia entregado provas na Corregedoria da Polícia Civil, o tucano estava envolvido em uma série de irregularidades que iam desde lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos e até associação com o narcotráfico.

Morto num hotel em Olinda

Veja também:  Por que Jair Bolsonaro não tuíta mais sobre corrupção?

Outra morte absurdamente suspeita é a do o empresário Paulo Cesar de Barros, que poderia delatar pessoas envolvidas na Operação Turbulência, que investigava uma organização criminosa suspeita de lavagem de dinheiro e que teria sido utilizada para financiar a campanha do ex-governador do estado Eduardo Campos e do senador Fernando Bezerra Coelho.

Barros foi encontrado morto num quarto de hotel em Olinda. Um exame teria revelado que ele foi envenenado por chumbinho. Depois disso a Operação Turbulência caiu no esquecimento.

A própria morte de Eduardo Campos é suspeita e também tem tido uma investigação lenta.

Foto Lula Marques/Agência PT

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum