Blog do Rovai

19 de fevereiro de 2015, 09h30

Lindberg sugere que efeito Orloff pode tornar Dilma a Cristina de amanhã

O senador petista enxerga nas mobilizações contra Cristina Kirchner algo que pode vir a se repetir no Brasil

dilma e kircherNos anos 80 uma propaganda de vodca fez muito sucesso com o slogan: “eu sou você amanhã”. À época a expressão se tornou sinônimo de um efeito político  nas relações entre Brasil e Argentina. O que iria acontecer com o Brasil se tornava realidade primeiro na Argentina. Desde a democratização, passando por inúmeros planos econômicos e pela política de privatizações que lá foi conduzida primeiro por Menem e que aqui só se viabilizou com a posse de FHC, porque Collor não deu conta do recado, a Argentina por muito tempo antecipou o Brasil.

E nesses casos, isso sempre tinha por trás a mão grande dos interesses americanos. Hoje, o senador Lindberg (PT-RJ) traz luz novamente a essa questão ao comentar a passeata com nome bem marqueteiro, “Marcha do silêncio”, que reuniu de 100 mil a  400 mil pessoas a depender da fonte informativa, em Buenos Aires, na tarde de ontem.

Lindberg avalia que o momento político vivido por lá é de radicalização total e, no texto que segue abaixo, prevê que isso pode também vir a acontecer no Brasil. Seu alerta merece ser tratado com a responsabilidade política que o momento exige.

Passei o Carnaval com minha esposa e nossas duas pequeninas em Buenos Aires. Acabei acompanhando mais de perto a cena política. Aqui, o clima é de profunda radicalização política. A morte do promotor Nisman incendiou o país. Os conservadores e a direita argentina estão se aproveitando da crise e lançaram uma grande ofensiva para desestabilizar o governo. Quis ver de perto. Estou agora na Plaza De Mayo debaixo de muita chuva. Não tem menos de cem mil pessoas. É a marcha do silêncio convocada por promotores argentinos e apoiada pelo grupo Clarin e por todas as agremiações conservadoras e de direita do país. É o mesmo clima que querem criar em toda América Latina. Movimentos golpistas, de desestabilização democrática. Querem varrer os governos populares na América Latina. Com certeza, essa marcha vai animar o discurso golpista já encampado pelo PSDB, que teima em não reconhecer a derrota nas urnas. Temos que organizar as forças populares no Brasil para resistir a essa ofensiva. Precisamos de unidade nos movimentos sociais. Para isso, é fundamental corrigirmos rumos do nosso governo. Temos que fazer com que os mais ricos paguem a conta pelo reequilíbrio fiscal, porque é o justo a se fazer. Isso nos coloca um discurso de ofensiva e de demarcação de campo. Nós surgimos para defender o povo mais pobre, os trabalhadores do Brasil. E isso fizemos nesses 12 anos. Amanhã, escreverei com mais detalhes sobre a situação argentina. A marcha está no fim e quero ver o discurso de encerramento.

Abraços
Veja também:  Aos 95 anos, morre a mãe da ex-presidenta Dilma Rousseff

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum