Blog do Rovai

28 de fevereiro de 2014, 12h06

Para Luiz Marinho, Padilha está no segundo turno e Eduardo Campos “saiu da fila de 2018”

A edição da Fórum Semanal Digital que vai ao ar hoje traz uma entrevista com o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, hoje uma das figuras mais importantes do PT paulista. Cogitado para ser candidato a governador, ele afirma nunca ter pensado na hipótese, reforçando que acredita na candidatura do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ao Palácio dos Bandeirantes. “Comuniquei ao partido desde o começo que não estava à disposição. Perguntavam se eu não queria pensar e eu dizia que não. O próprio Padilha perguntava: ‘Você não é mesmo?’, e dizia que me apoiaria. Eu disse pra ele: ‘Padilha, a avenida está aberta, vai e constrói a sua possibilidade de candidatura. Tem vontade, está livre, então toca. Agora, eu tenho um mandato, para eu sair tenho que renunciar ao mandato. E não pretendo colocar isso no meu currículo’.” Leia abaixo alguns trechos da entrevista e confira a íntegra na Fórum Semanal Digital. Se você ainda não assina, contribua com o que puder clicando aqui.

“A militância adora o Padilha. E ele tem uma relação muito tranquila com os outros partidos, trabalhou com os prefeitos no Ministério de Articulação Política e, agora, no Ministério da Saúde também” (Foto Daniel Back)

Burocracia

Veja também:  Para evitar fuga, deputado apresenta pedido de retenção do passaporte de Deltan Dallagnol

As regras de licitações estão ultrapassadas. Muitas vezes você não pode exercer o poder de comprar. Quando alguém vai comprar alguma coisa em quantidade, o que ele tem a seu favor? Se tem maior quantidade, consegue reduzir o preço: ‘eu preciso de X produtos’ e bota na praça a partir da qualidade que ele estabelece e alguém oferece o menor preço. Aqui não: você solta e se disser ‘eu quero a qualidade assim: que tenha essa característica aqui e tem que ser desse jeitinho, porque eu quero essa qualidade’, o Tribunal diz não, considera que você está dirigindo a licitação e que tem que abrir licitação a menor preço e ponto. O menor preço e ponto nem sempre é o melhor para o que você deseja comprar. Então, muitas vezes você vai comprar um produto e, ao invés de ser um produto feito no Brasil, é um produto importado da China. O poder público perdeu a sua capacidade de influenciar no preço e no produto ao mesmo tempo.

Eleições em São Paulo

Há muito tempo, em São Paulo, o PT não constrói uma candidatura de forma tão natural e tranquila. Não teve nenhuma rusga no processo de escolha, absolutamente nada. E é uma liderança com uma liga partidária natural, saudável, forte. A militância adora o Padilha. E ele tem uma relação muito tranquila com os outros partidos, trabalhou com os prefeitos no Ministério de Articulação Política e, agora, no Ministério da Saúde também. Naturalmente, as coisas foram se encaixando. Os tucanos que se cuidem.

Veja também:  Rovai: Por que eu sou a favor de Eduardo Bolsonaro embaixador dos EUA

Eduardo Campos e a fila para 2018

O PT tem consciência de que nós não vamos eternamente encabeçar o projeto. Em algum momento teremos que compor com algum aliado. E poderia ser, naturalmente, para 2018, coisa que hoje está em aberto. O que vai ser em 2018? Ninguém sabe. Pode ser a volta do Lula. E acho que ele tem toda condição. O Eduardo saiu dessa fila, ele estava nela.

O PT e a juventude

Quem tem facilidade com a juventude? Ninguém tem. Há um erro de análise de que o PT perdeu, mas quem ganhou? Nós evidentemente temos que trabalhar o tema da juventude. E o PT vai trabalhar, tanto é que há resoluções de que as direções sejam compostas com participação obrigatória de jovens, mulheres e negros. A diversidade da sociedade brasileira tem que estar representada nas esferas do partido para buscar fomentar o debate com os vários segmentos, e a juventude é sempre uma necessidade de se discutir e de ser conquistada. Ser conquistada a partir das oportunidades que podem ser geradas. O jovem é rebelde por natureza, todos nós que fomos jovens sabemos disso. É preciso que ele seja cativado o todo tempo e que oportunidades lhe sejam dadas. As políticas públicas hoje geram oportunidade para a juventude, mais do que no passado. Nós temos que apostar nesse processo, de oportunidade, das universidades, da capacitação, qualificação, das oportunidades no mundo do trabalho para a juventude.

Veja também:  Censura a Miriam Leitão é ação da Ku Klux Klan ideológica tupiniquim

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum