Blogs

21 de maio de 2018, 17h55

A guerra semiótica calça chuteiras para a Copa 2018

Para quem ainda duvida e acha que guerra híbrida e bombas semióticas não passam de “teoria da conspiração”, uma simples comparação entre as peças publicitárias que promoviam a Copa de 2014 e a desse ano, na Rússia, põe fim a qualquer dúvida

Visto em perspectiva, a intervenção norte-americana no Brasil por meio da estratégia de guerra híbrida (guerra semiótica implementada pelo complexo jurídico-policial-midiático com apoio logístico e de inteligência dos EUA) teve dois propósitos bem definidos: primeiro, o golpe político – o impeachment, nova modalidade de golpe sem mais traumáticas imagens de tanques de guerra cercando o Congresso ou um presidente  com quepe estrelado discursando para a TV, e a inviabilização de um candidato de esquerda por meio da pesada artilharia do chamado “lawfare”.

E segundo, a conquista dos corações e mentes: fazer a choldra, que olha para tudo até agora bestializada, acreditar na ideologia do mérito-empreendedorismo da nova ordem neoliberal imposta ao País – diante da perda das garantias trabalhistas e sociais e por meio de pitacos ideológico-motivacionais, incutir nas massas a fé de que, daqui em diante, é cada um por si pelo próprio mérito e esforço empreendedor. E o salto de fé de que, um dia, a força de trabalho magicamente se converterá em capital.

Da mesma forma como na Copa do Mundo de futebol de 1970 (em pleno início do golpe militar e dos anos de chumbo de perseguições e tortura), na qual a ordem militar calçou as chuteiras dos “90 milhões em ação, prá frente Brasil!”, também o atual golpe político que promove a guerra semiótica também calça suas chuteiras.

Neste momento, a palavra de ordem é mostrar uma nação unida, brasileiros “com muito orgulho e com muito amor”, entusiasmo, felicidade e inspiração. E muitos pitacos motivacionais do técnico Tite em vídeos publicitários do banco Itaú.

Para aqueles que ainda duvidam sobre estarmos em plena guerra semiótica ou de que o País continua alvo de uma guerra híbrida cuja logística poderá colocar em xeque as eleições desse ano (se as coisas nãos seguirem o script previsto pela banca), uma prova é fazer um comparativo das campanhas publicitárias de duas copas do mundo de futebol: a de 2014 e a desse ano.

Lá em 2014 vivíamos o auge de uma pesada guerra semiótica que pretendia desestabilizar o governo Dilma Rousseff (o clima do “não vai ter Copa” + Lava Jato).

E agora em 2018, a luta midiática pela estabilização da Nova Ordem – Lula preso, a inviabilização de um candidato de esquerda (só esperam a definição do candidato para a artilharia lawfare ser acionada) e a catequização diária dos valores do mérito-empreendedorismo para a massa de desempregados e aqueles inseguros com o emprego que ainda possuem.

Em 2014, as campanhas publicitárias eram polissêmicas, ambíguas, explorando um duplo sentido: entre o tradicional ufanismo da pátria de chuteiras e a incitação das mobilizações de rua do “Não Vai Ter Copa!” e contra o governo federal.

Bem diferente, hoje vemos um clima publicitário semioticamente unívoco, assertivo, com um único sentido: a necessidade da Nação ficar unida, esquecer as diferenças e torcer pela Seleção. Um incômodo déjà vu que lembra as amargas atmosferas do anos de chumbo das copas de 1970, 1974 e 1978 – cuja Seleção chegou até a contar como um técnico militar, Cláudio Coutinho, capitão que se graduou na Escola de Educação Física do Exército.

Não foi por acaso que, assim como o juiz Sérgio Moro (arma do lawfare da atual guerra híbrida), Coutinho fez cursos nos EUA.  A diferença é que foi na área de preparação física com Kenneth Cooper (idealizador do famoso método de avaliação física), chegando a frequentar o Laboratório de Estresse Humano da NASA – afinal, o futebol fez parte do aparato ideológico dos governos militares.

A campanha polissêmica da Copa de 2014

Olhando em conjunto anúncios e vídeos publicitários é nítida a intenção polissêmica das criações que antecederam a Copa do Mundo no Brasil: um misto de festa e agressividade, alegria e raiva. E torcidas que ora parecem as tradicionais torcidas organizadas de futebol, ora manifestantes que saem às ruas para protestar.

E tudo é reforçado com alusões aos icônicos “cara pintadas” das manifestações (cores verde e amarelo pintadas no rosto) pelo impeachment de Collor em 1992.

Punhos fechados, gritos com dentes acirrados, gente gritando com fisionomias ambíguas entre alegria e raiva e massas de torcedores que ocupam ruas com mais punhos fechados, gritos e bandeiras. Praticamente, as peças publicitárias eram extensões das imagens dos telejornais de manifestantes nas ruas gritando “não vai ter Copa” e exigindo “padrão Fifa” para educação e saúde.

Em outras palavras: vendo em perspectiva a semiótica publicitária daquele momento, tudo parecia a prévia dos ícones que iriam tomar conta da midiosfera dos anos subsequentes: batedores de panela com camisetas da CBF, esgarçando os dentes e fechando os punhos.

Itaú e Boticário vão à luta

Duas campanhas foram emblemáticas: a do Itaú e do Boticário. A do representante da banca financeira (interessada em criar a cortina de fumaça do discurso anticorrupção para esconder o fator dos juros altos na atual crise) criou o “Hino da Copa do Mundo” composto e dirigido por Jair Oliveira e Simoninha e cantado por Paulo Miklos e Fernanda Takai. Um vídeo-clip que agora se repete em 2018, porém com outra edição bem sintomática.

Lá na versão de 2014, o foco são torcedores saindo de casa e tomando as ruas. Muitos jovens correndo pelas ruas num conjunto de cenas com claras alusões às imagens dos protestos que tomavam conta dos telejornais naquele momento. Com direito a um skatista com gestalt de black bloc. Mais punhos fechados e gritos. Há uma ambiguidade clara entre festa e torcida se contrapondo à tensão e protesto reforçado pelos signos dos gritos, rostos franzidos e punhos fechados para o alto.

Na atual versão do vídeo-clip Itaú do “Hino da Copa do Mundo” tudo mudou:  vemos os músicos no estúdio numa metalinguagem da gravação da música. A atmosfera é de calma, leveza, concentração e união dos músicos. Com letterings se sobrepondo as imagens nos quais se ressalta a “união”, “coração”, “todos juntos”, “alma verde-amarela” etc.

Veja os dois vídeos abaixo e compare:

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum