Anitta: “500 mil mortes… é sobre fora Bolsonaro sim”

A artista, que hoje foi anunciada como a nova conselheira do Nubank, foi às redes defender o impeachment do presidente

A cantora Anitta foi parar nos assuntos mais comentados das redes hoje por dois motivos: o primeiro é que a artista usou as suas redes para lamentar as 500 mil mortes da pandemia no Brasil e defender impeachment do presidente Bolsonaro (sem partido).

“500 mil mortes… é sobre FORA BOLSONARO sim! A favor da democracia, da economia, da saúde, da educação, do senso COLETIVO”, escreveu a cantora.

A declaração de Anitta vem no mesmo momento em que a cantora Ivete Sangalo foi parar nos trends, mas pelo fato de isentar o governo federal de qualquer relação ou culpa pelas milhares de mortes por Covid-19 no Brasil.

Conselho do Nubank

O outro motivo que levou Anitta aos assuntos mais comentados na manhã desta segunda-feira (21) foi o anúncio realizado pelo banco digital Nubank de que ela é a mais nova membra do Conselho de Administração da instituição.

Em comunicado, o banco revelou que “A partir de hoje, 21 de junho de 2021, Anitta – o maior ícone pop da América Latina da atualidade – passa a integrar o Conselho de Administração do Nubank e irá participar de reuniões trimestrais com a diretoria para auxiliar nas decisões estratégicas sobre o futuro do negócio”.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR