a terra é redonda

“O povo apenas transfere livremente para o rei o poder que não domina totalmente” Baruch Spinoza

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de novembro de 2019, 23h03

O golpe na Bolívia: cinco lições, por Atilio A. Boron

Uma nova figura sociopolítica: golpismo militar “por omissão”

Foto: Reprodução/Twitter

Por Atilio A. Boron*

A tragédia boliviana ensina com eloquência várias lições que nossos povos e as forças sociais e políticas populares devem aprender e gravar em suas consciências para sempre.

Aqui, uma breve enumeração, no momento dos acontecimentos, e como prelúdio a um tratamento mais detalhado no futuro.

Primeiro: por mais que se administre de modo exemplar a economia como fez o governo de Evo, se garanta crescimento, redistribuição, fluxo de inversões e se melhorem todos os indicadores macro e microeconômicos, a direita e o imperialismo jamais vão aceitar um governo que não se coloque a serviço de seus interesses.

Segundo: há que estudar os manuais publicados por diversas agências dos EUA e seus porta-vozes disfarçados de acadêmicos ou jornalistas para poder perceber a tempo os sinais da ofensiva. Estes escritos invariavelmente ressaltam a necessidade de destroçar a reputação do líder popular, o que no jargão especializado se chama “assassinato de reputação”, qualificando-o como ladrão, corrupto, ditador ou ignorante.

Esta é a tarefa confiada a comunicadores sociais, autoproclamados “jornalistas independentes”, que, em favor de seu controle quase monopólico dos meios, perfuram o cérebro da população com tais difamações, acompanhadas, no caso que nos ocupa, por mensagens de ódio dirigidas contra os povos originários e os pobres em geral.

Terceiro: cumprido o anterior, chega a hora da direção política e elites econômicas, exigindo “uma mudança”, cobrando a derrubada da “ditadura” de Evo que, como escrevera há poucos dias o inapresentável Vargas Llosa, é um “demagogo que quer eternizar-se no poder”.

Suponho que estará brindando com champanhe em Madri ao ver as imagens das hordas fascistas saqueando, incendiando, acorrentando jornalistas a um poste, raspando a cabeça de uma prefeita e pintando-a de vermelho e destruindo as atas da última eleição para cumprir a ordem de Don Mario e libertar a Bolívia de um maligno demagogo.

Menciono seu caso porque foi e é o porta-estandarte imoral deste ataque vil, desta traição sem limites que crucifica lideranças populares, destrói uma democracia e instala o reino do terror a cargo de bandos de traficantes contratados para castigar um povo digno que teve a ousadia de querer ser livre.

Quarto: entrem em cena as “forças de segurança”. Neste caso estamos falando de instituições controladas por numerosas agências, militares e civis, do governo dos Estados Unidos. Estas as treinam, armam, fazem exercícios conjuntos e as educam politicamente.

Tive ocasião de comprová-lo quando, a convite de Evo, inaugurei um curso sobre “Anti-imperialismo” para oficiais superiores das três armas. Nessa oportunidade, fiquei envergonhado pelo grau de penetração dos mais reacionários bordões norte-americanas herdados da época da Guerra Fria e pela franca irritação causada pelo fato de um indígena ser presidente de seu país.

O que fizeram essas “forças de segurança” foi retirar-se da cena e deixar o campo livre para a descontrolada atuação das hordas fascistas – como as que atuaram na Ucrânia, Líbia, Iraque e Síria para derrocar, ou tratar de fazê-lo neste último caso, líderes incômodos para o império – e, desse modo, intimidar a população, a militância e as próprias figuras do governo. Ou seja, uma nova figura sociopolítica: golpismo militar “por omissão”, deixando que as quadrilhas reacionárias, recrutadas e financiadas pela direita, imponham sua lei. Uma vez que reina o terror e ante a ausência de defesa do governo, o desenlace era inevitável.

Quinto: a segurança e a ordem pública não deveriam jamais terem sido confiadas na Bolívia a instituições como a polícia e o exército, colonizadas pelo imperialismo e seus lacaios da direita autóctone. Quando se lançou a ofensiva contra Evo, optou-se por uma política de apaziguamento e de não responder às provocações dos fascistas. Isto serviu para encorajá-los e dobrarem a aposta: primeiro, exigir o pleito; depois, fraude e novas eleições; em seguida, eleições, mas sem Evo (como no Brasil, sem Lula); mais tarde, a renúncia de Evo; finalmente, ante sua relutância em aceitar a chantagem, semear o terror com a cumplicidade de policiais e militares e forçar Evo a renunciar. De manual, tudo de manual. Aprenderemos estas lições?

*Atilio Boroné professor de ciência política na Universidade de Buenos Aires.

Tradução:Fernando Lima das Neves

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum