BLOG DO ROVAI

Exclusivo: Arma “secreta” da oposição na CPI dos atos golpistas é conversa de WhatsApp

O tal "relatório sigiloso" já está em poder do senador Esperidião Amin (PP-SC), que é presidente da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência no Congresso (CCAI).

Créditos: Reprodução/ redes sociais
Escrito en BLOGS el

A oposição tem divulgado que existe um relatório da inteligência para o GSI e para o Ministério da Justiça que vai demonstrar que já no dia 6 de janeiro o governo tinha conhecimento do risco de uma invasão violenta do Palácio do Planalto, do Congresso e do prédio do Supremo Tribunal Federal. E que não fez nada.

O tal relatório sigiloso já está em poder do senador Esperidião Amin (PP-SC), que é presidente da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência no Congresso (CCAI).

É com essa documentação que eles esperam emparedar entre outros o ex-ministro do GSI, general G. Dias, e mesmo Flávio Dino, ministro da Justiça. A tese é que eles sabiam de tudo e jogaram para que a baderna generalizada acontecesse.

Fórum apurou, porém, que não existe nenhum documento oficial da inteligência do governo alertando para algo parecido com o que aconteceu no dia 8 de janeiro. O que existe e que se transformou num documento sigiloso nas mãos de Amin é um catadão de conversas em um grupo de WhatsApp em que estariam o general G. Dias e um integrante do Ministério da Justiça.

Nessas conversas, agentes de segurança, de fato, especulavam que poderia haver algo mais sério na Esplanada no dia 8 de janeiro. E, de alguma maneira, antecipavam uma baderna, mas nunca uma tentativa de golpe.

Amin está tentando tirar o caráter sigiloso desse amontoado de conversas privadas para poder divulgar com estardalhaço como um relatório que previa o que aconteceu e que por isso incriminaria o governo, em especial o GSI e o Ministério da Justiça.

É o que restou à oposição, que já está desistindo do que eles chamam de CPI do 8 de Janeiro e voltando suas cargas para um outro alvo: o MST.