Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de abril de 2019, 06h00

Autor de CPI para investigar Judiciário defende abertura de “caixa-preta”

Davi Alcolumbre encaminhou decisão à CCJ para que o colegiado se manifeste sobre continuidade ou arquivamento de "CPI da Lava Toga", para investigar o Judiciário

Foto: Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Autor do requerimento de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar integrantes do Judiciário, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) considera urgente abrir a “caixa-preta” do Judiciário para que o país continue a investigar casos suspeitos de corrupção. “É fácil você fazer um comparativo entre a primeira instância e o que faz o Supremo Tribunal Federal (STF) em termos de combate à corrupção, infelizmente o Supremo não consegue avançar”, disse ao blog o congressista nesta quinta-feira (7).

Delegado de polícia por 18 anos, Vieira afasta qualquer possibilidade de revanche de sua parte contra o STF. “Por que eu iria querer fazer alguma coisa? Não tenho nenhum processo no STF/STJ, não tenho problema de financiamento de campanha, não sou da base de governo.”

Essa é a segunda vez que o parlamentar tenta criar a CPI. Na primeira ocasião, no início de fevereiro, três parlamentares retiraram as suas assinaturas, fazendo com que o requerimento perdesse o número mínimo necessário.

Segundo Alessandro Vieira, há movimentos de pressão vindos do Palácio do Planalto, do STF e de grandes empresários que têm envolvimento com campanhas para que a CPI não vá para a frente. “Esse público todo tem feito intervenções aqui na Casa com maior ou menor grau de pressão”, afirmou.

No requerimento, o senador lista 13 fatos envolvendo ministros de cortes superiores que ele considera determinantes para justificar a organização de uma comissão de inquérito. Entre eles estão casos de juízes atuando em processos para os quais deveriam se declarar suspeitos ou impedidos; exercendo atividade comercial simultânea à atuação na magistratura; recebendo dinheiro por palestras para escritórios de advocacia; revertendo liminares em “tempo recorde”; incorrendo em “uso abusivo” de pedidos de vista; e até recebendo propina, entre outras atividades consideradas contestáveis.

CPI trava no Senado

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, leu parecer da Advocacia do Senado Federal sobre a CPI da Lava Toga semana passada. Contrariando a sugestão do órgão, o presidente decidiu “se curvar” aos 29 requerentes e enviará o pedido de investigação de magistrados para análise da CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania).

De acordo com Vieira, a decisão de Alcolumbre foi uma espécie de “arquivamento pendente de ratificação da CCJ”. Segundo advoga o congressista a CPI cumpriu os requisitos de fatos determinantes, além das 27 assinaturas.

Com a indefinição do caso a CCJ deve se manifestar nos próximos dias se aceita ou arquiva a segunda tentativa de abrir a caixa-preta do Judiciário. “É uma questão de tempo para essa CPI sair. Todas essas estratégia são mera protelação”, defendeu Vieira. Para ele, os interessados em enterrar a comissão de inquérito trabalham nos bastidores para que senadores retirem novamente as assinaturas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum