Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de abril de 2019, 06h00

Deputado pede investigação do MPF sobre acordo de R$ 6,8 bi entre Odebrecht e Lava Jato

Na ação apresentada ao MPF petista pede que decisão que suspendeu acordo entre Lava-Jato e governo norte-americano seja estendido aos acordos de leniência fechados por procuradores

Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) apresentou nesta terça-feira (2) uma representação junto ao MPF (Ministério Público Federal) que promete dar dor de cabeça ao ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato.

Ao MPF o congressista pede abertura de inquérito para investigar o destino de R$ R$ 6,8 bi de acordos fechados pela Força-Tarefa com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. O parlamentou fundamenta a ação com base na decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes que suspendeu bloqueou R$ 2,5 bi depositados em Curitiba que seria usado por um fundo privado.

O pedido de investigação remete a um acordo homologado em 2016 por Sérgio Moro, então juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba. Pelo acordo, 80% da multa de R$ 8,5 bilhões (R$ 6,8 bi) seriam depositados em conta a ser administrada pelo MPF de Curitiba.

Na decisão Moraes apontou que os procuradores exorbitaram de sua prerrogativas. “Em que pese ser meritória a atuação dos agentes públicos na condução dos inquéritos e ações penais da Operação Lava Jato, bem como nos propósitos externados no acordo, os procuradores, em princípio, exorbitaram das atribuições que a Constituição Federal delimitou para os membros do Ministério Público”, defendeu o ministro no último dia 15 de março.

“Eles não têm autoridade legal para isso. Qualquer multa que negociar tem que ir para os cofres públicos do Estado brasileiro, e cabe ao Estado dentro do seu orçamento fazer a aplicação”, advogou Jorge Solla ao blog.

O congressista aponta que a homologação do acordo foi ilegal. Segundo ele em outras três ocasiões Moro foi cobrado pela liberação do sigilo do apêndice 5 do acordo, que é onde diz o destino dos recursos, o que na ocasião foi negado pelo juiz.

Na peça, Solla pede também o bloqueio dos bens dos citados e que as multas aplicadas pela Lava-Jato não sejam usadas para fins privados. Por meio de nota a Força-Tarefa insiste em defender a legalidade do acordo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum