Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
22 de maio de 2019, 20h37

Em nova derrota do governo, Câmara aprova reforma administrativa e retira Coaf de Sérgio Moro

A retirada do Coaf da Justiça representa uma derrota para o Palácio do Planalto e, especialmente, para o titular da pasta, o ministro Sérgio Moro, que defendia a manutenção do conselho sob a sua alçada

Sergio Moto (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Às vésperas das manifestações de rua que têm o Congresso como um dos focos de ataque, o plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (22) texto-base do projeto referente à medida provisória da reforma administrativa, que estruturou o governo do presidente Jair Bolsonaro e reduziu o número de ministérios de 29 para 22.

Os congressistas rejeitaram na noite desta quarta destaque do Podemos, que pedia a manutenção do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) no Ministério da Justiça. Com isso, a retirada do órgão para o Ministério da Economia representa uma derrota para o Palácio do Planalto e, especialmente, para o titular da pasta, o ministro Sérgio Moro, que defendia a manutenção do conselho sob a sua alçada.

Durante a manhã desta quarta Sergio Moro abriu mais uma vez a agenda para tentar convencer os parlamentares a impedir a transferência do Coaf.

Segundo interlocutores, Moro estava confiante e apontou que o fato de a votação ser nominal aumentaria as chances de o Coaf permanecer sob sua jurisdição.

Para o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), o governo está usando a MP 870 para criar uma “falsa polêmica”. “Os maiores adversários do governo são as disputas e brigas entre membros da própria administração federal”, apontou Braga. Ele se refere às frequentes crises geradas após postagens em redes sociais de integrantes do governo e de parlamentares do partido do presidente (PSL).

Foi rejeitado também o desmembramento do Ministério do Desenvolvimento Regional em duas pastas, Integração Nacional e Cidades. A proposta estava prevista no relatório da MP elaborado pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Para Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da Minoria, a aprovação da MP nº 870, com o Coaf na Economia, e a demarcação de terras indígenas fora da pasta da Agricultura, representa uma derrota para Bolsonaro. “O substitutivo não agrada ao governo. Ela (a reforma) sai com aspectos completamente diferentes”, avaliou.

Além disso, os parlamentares devem analisar a permanência ou não da Fundação Nacional do Índio (Funai) no Ministério da Agricultura e a proibição da investigação sobre corrupção por auditores da Receita Federal.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum