Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de abril de 2019, 12h29

Marcos Pontes quer discutir compensações à população de Alcântara após aprovação do acordo com EUA

Se aprovado, pacto permitirá o uso comercial da base para o lançamento de foguetes e satélites situado no centro-norte do Maranhão

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Presente na Câmara dos Deputados na manhã desta quarta-feira (10) para explicar o acordo firmado com os Estados Unidos para o uso comercial do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, evitou comentar sobre como as comunidades quilombolas serão beneficiadas e terão direitos à terra respeitados. Ele defendeu que as compensações a povos tradicionais sejam definidas após o acordo ser aprovado pelo Congresso Nacional.

Em 1987, 1.350 quilombolas foram despejados de suas comunidades originais e forçadamente reassentados em 7 agro-villas, onde a quantidade e a qualidade da terra os impediam de ter as mesmas condições de vida que possuíam antes.

“É preciso que a gente tenha de forma clara alguma pré-condições antes da assinaturas desse acordo”, advogou o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA). Para ele as questões sobre o respeito à soberania nacional e compensação aos povos quilombolas presentes em Alcântara são essenciais para o diálogo avançar.

De acordo com Pontes, os Estados Unidos possuem 80% da tecnologia aeroespacial do mundo. “Então esse acordo é para os EUA permitirem o Brasil lançar satélites de qualquer país que contenham peças americanas”, defendeu. Ele também afirma que é uma obrigação do Brasil a proteção dessa tecnologia.

Em resposta ao deputado Bira do Pindaré (PSB-MA), o ministro explicou que o acordo não prevê a ampliação do Centro de Lançamento. Pontes defendeu o diálogo com comunidades locais de Alcântara para que “erros e promessas do passado não sejam repetido após assinatura do novo acordo”.

Território quilombola

Alcântara é um território quilombola. Há no local mais de 150 comunidades reconhecidas pela Fundação Palmares. “Que se respeite as comunidade quilombolas, a melhoria da qualidade de vida do povo de Alcântara”, completou Bira.

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) foi fundado pelo governo brasileiro em 1983 e, devido a sua posição privilegiada em relação ao Equador, pode reduzir em até 30% os gastos com combustível em um voo espacial. “Se Alcântara é o melhor lugar do mundo para se lançar foguete, deve ser o melhor para se viver”, defendeu Jerry.

Questionado por Jerry sobre de que forma será o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro, Marcos Pontes explicou que o acordo não prevê transferência de tecnologia. “Mas isso não impede que o país feche parcerias com o país e desenvolva sua própria tecnologia”, defendeu.

Pontes afirma que as estimativas de perdas para o Brasil com a não utilização de Alcântara estão na casa de R$ 15 bilhões nos últimos 20 anos. Segundo explicou o acordo não permite lançamento de mísseis por outros países, exceto pelo Brasil.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum