domingo, 20 set 2020
Publicidade

“Não considero 64 um golpe, mas um movimento para que o país não se tornasse uma ditadura”, diz Ernesto Araújo

Questionado pelo deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) qual sua opinião sobre 1964, o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, respondeu à Comissão de Relações Exteriores da Câmara que não considera o movimento um golpe.

“Não considero 64 um golpe, mas um movimento necessário para que o país não se tornasse uma ditadura”, afirmou ao deputado o ministro das Relações Exteriores do Brasil.

Glauber perguntou ainda ao ministro se o período de 1965 a 1985 foi democrático. Araújo não respondeu.

Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro orientou quartéis a celebrarem o “aniversário” do golpe militar de 1964. 

A cada dia fica mais clara a postura ideológica do governo Bolsonaro para tentar rescrever a história sobre sua própria ótica ideológica e bem distante dos fatos.

George Marques
George Marques
Jornalista e Relações Públicas pela Faculdade JK de Brasília. É também especialista em comunicação pública e comunicação política no legislativo, tendo já sido indicado ao Prêmio Comunique-se de Jornalismo Político. Já trabalhou na cobertura de política para o site The Intercept Brasil e Metrópoles. É colunista da Fórum.