Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de junho de 2019, 13h01

Parlamentares acionam MPF para barrar desmonte da Política de HIV e AIDs no Brasil

Desmonte no departamento responsável preocupa entidades de apoio a pessoas que vivem com o vírus. Parlamentares acionaram Procuradoria para que estrutura volte ao que era antes do decreto de Bolsonaro

Os deputados federais Erika Kokay (PT-DF), Túlio Gadelha (PDT-PE) e Maria do Rosário (PT-RS) protocolaram nesta quinta-feira (13), na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) do Ministério Público Federal (MPF), representação contra o desmonte da Política de HIV e Aids no Brasil, promovida pelo governo Bolsonaro.

Os parlamentares pedem providências em relação ao decreto 9795 de 2019 que muda a estrutura do Ministério da Saúde.

“Aparentemente parece apenas se tratar de um ato administrativo normal de governo. Ocorre que o referido Decreto altera a estrutura do Ministério da Saúde de modo a inviabilizar o direito à saúde de população vulnerável”, dizem os deputados no texto do documento.

A representação é fundamentada em posicionamento da Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS/Observatório Nacional de Políticas de AIDS (ABIA). A ABIA sustenta que a renomeação do antigo Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das ISTs do HIV/AIDS para Departamento de Doenças de Condições Crônicas e IST, é um erro grave.

Segundo a ABIA, a nova estrutura não irá promover maior integração entre as áreas no novo Departamento, ao afirmar que as patologias ali reunidas (verminoses ao lado de infecções virais- como HIV e Hepatites) possuem diferenças significativas no que se refere a formas de transmissão, escalas de impacto e populações diretamente afetadas.

“As condicionantes do HIV/AIDS e de verminoses, por exemplo, são completamente diferentes”, diz a Associação, ao lembrar que a epidemia de HIV/AIDS afeta especialmente jovens gays e pessoas trans e a resposta exige uma abordagem focada no combate ao estigma. Já as verminoses atingem principalmente crianças e a resposta está focada em melhoria e ampliação do saneamento básico.

O movimento nacional de luta contra a AIDS também manifestou-se contra a mudança. “Não se trata apenas uma questão de nomenclatura: é o fim do Programa Brasileiro de AIDS. O governo, na prática, extingue de maneira inaceitável e irresponsável um dos programas de AIDS mais importantes do mundo, durante décadas referência internacional na luta contra a AIDS”.

Nesse contexto, os parlamentares reforçam as inúmeras incertezas resultantes da reestruturação, a qual gerou angústia e preocupação em milhares de brasileiros e brasileiras impactos diretamente e indiretamente pela epidemia do HIV/AIDS e pedem que a PFDC tome medidas legais para garantir o direito constitucional à saúde, bem como a participação social e popular assegurada no ordenamento jurídico brasileiro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum