Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de março de 2019, 06h01

Sem reciprocidade, Bolsonaro libera turistas dos EUA sem visto e escancara nacionalismo de goela

Decreto só vale para visto de visita e foi publicado nesta segunda (18) em edição extra do 'Diário Oficial'. Medida acontece em meio à viagem de Bolsonaro aos EUA para encontro com Trump.

Foto: Alan Santos/Presidência

Diplomatas estão abismados com o decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que nesta segunda-feira (18) dispensou o visto para turistas dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão que viajarem ao Brasil sem exigir nenhuma reciprocidade. No Itamaraty a reação foi imediata. Em reservado, diplomatas criticam o ministro Ernesto Araújo por ele ter deixado de analisar a nova medida à luz do 1) princípio da reciprocidade entre os países (ignorado); 2) do pragmatismo que deve orientar a ação externa do Brasil, bem como 3) da política atual de vistos do governo brasileiro.

Em geral, as políticas de vistos entre países estão pautadas pela reciprocidade: o país A isenta os cidadãos do país B de vistos, caso o país B isente os cidadãos do país A. Esse princípio tende a ser a regra geral, mas não necessariamente é aplicado de forma absoluta, explicou uma fonte do Itamaraty ao blog.

Durante a Copa do Mundo de 2014, o Brasil criou visto específico para facilitar o turismo durante o evento para todos os estrangeiros; Rio 2016: isentou cidadãos dos EUA, Canadá, Japão e Austrália de vistos.

Naquela época valia a pena afastar a reciprocidade para tentar atrair o máximo de turistas durante os eventos esportivos. Mas, agora, no contexto atual, diplomatas se questionam se há alguma possibilidade de a medida ser recíproca pelos EUA.

A resposta já sabemos qual é. Basta lembrar o que ocorre hoje nos EUA pelo fato de Trump insistir na construção de um muro na fronteira. Ou seja, o contexto atual é de restrição migratória, sobretudo para países latinos (para eles, somos latinos, não parte do Ocidente).

“Mas o processo para obter visto é complicado e o norte-americano acaba desistindo de visitar o Brasil.” Isso mudou. O processo atual para cidadãos dos EUA, Canadá, Austrália e Japão é um exemplo positivo de como o Brasil flexibilizou a reciprocidade com pragmatismo.

Para simplificar o processo, sem abrir mão da reciprocidade (turistas brasileiros ainda precisam de vistos para esses países), o Brasil criou um novo sistema de vistos, o E-visa, que está disponível para cidadãos dos EUA desde o ano passado, janeiro de 2018.

O estrangeiro pode requerer o E-visa e obtê-lo de forma remota, via site ou mesmo no aplicativo para celular (não precisa ir a consulado!). O E-visa custa USD 40, bem + barato que o visto tradicional (USD 160), e é obtido em no máximo 5 dias úteis.

Os resultados da maior comodidade e agilidade foram imediatos. Em agosto de 2018, mais de 70 mil norte-americanos já haviam solicitado E-visa, o que representou cerca de 83% dos vistos para os EUA. O E-visa tem validade de 2 anos e permite múltiplas entradas no Brasil.

A simplicidade e eficiência do processo atual tampouco justificam a isenção unilateral proposta por Ernesto. A medida aparenta ser mais uma tentativa de aproximação a qualquer custo dos EUA do que qualquer coisa. Por fim, vale lembrar que a decisão de viajar é influenciada não apenas pela facilidade do visto, mas por considerações como tolerância, segurança, custos e infraestrutura do destino.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum