STF: Fachin será o relator do pedido de impeachment contra Salles

Ministro do Meio Ambiente é acusado de omissão por incêndios na Amazônia e de perseguição a servidores públicos

O pedido inédito de impeachment contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi distribuído nesta quarta-feira (28) para a relatoria do ministro Edson Fachin.

Semana passada o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que preside a Comissão de Meio Ambiente do Senado, enviou ao STF um pedido de afastamento de Salles por crime de responsabilidade. Contarato afirma também que Salles perseguiu agentes públicos a pedido de ruralistas.

No pedido, a Rede afirma que o ministro cometeu crime de responsabilidade na condução da política ambiental. Entre os pontos da ação, o partido acusa Salles de ir contra a Constituição Federal ao alterar a governança do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), conselho que reúne representantes do governo e de ONGs para discutir as políticas ambientais no país.

Se o pedido de impeachment for julgado procedente pelo Supremo, Salles pode perder a chefia da Pasta e ser proibido de ocupar cargos públicos por oito anos.

Em entrevista à Fórum nesta terça, Contarato reforçou a necessidade do ministro ser afastado do cargo por perseguição a servidores públicos, como a exoneração do cargo de chefia que ocupava no Ibama o fiscal José Olímpio Augusto Morelli, que multou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em 2012.

Veja abaixo a entrevista completa:

Avatar de George Marques

George Marques

Jornalista e Relações Públicas pela Faculdade JK de Brasília. É também especialista em comunicação pública e comunicação política no legislativo, tendo já sido indicado ao Prêmio Comunique-se de Jornalismo Político. Já trabalhou na cobertura de política para o site The Intercept Brasil e Metrópoles. É colunista da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR