Blog do Maringoni

política

Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de janeiro de 2018, 15h15

Folha segue firme na campanha contra estatais

Várias estatais tiveram parte de suas receitas podadas por força do processo de privatizações, que fragmentou sistemas integrados – caso das elétricas – e/ou criou negociatas que geraram dívidas monstruosas e vida boa para os controladores – caso da Oi.

Várias estatais tiveram parte de suas receitas podadas por força do processo de privatizações, que fragmentou sistemas integrados – caso das elétricas – e/ou criou negociatas que geraram dívidas monstruosas e vida boa para os controladores – caso da Oi.

Por Gilberto Maringoni*

A manchete principal da Folha de S. Paulo desta terça-feira (9) é um primor de mau caratismo jornalístico.

Ao alegar – baseada em um consultoria “independente” – que as estatais trouxeram prejuízo de R$ 40 bi ao governo, o Diário Oficial do Golpe passa ao leitorado a impressão de que basta o Estado se livrar do que sobrou para o Brasil deslanchar.

Primeiro seria necessário checar os números. Depois, verificar o quadro geral da situação. Várias estatais tiveram parte de suas receitas podadas por força do processo de privatizações, que fragmentou sistemas integrados – caso das elétricas – e/ou criou negociatas que geraram dívidas monstruosas e vida boa para os controladores – caso da Oi. Aqui, diga-se de passagem, os papagaios chegam a R$ 60 bi. Em apenas uma empresa privatizada!

Não tenho condições agora de levantar os danos causados pelas vendas anteriores nas empresas que seguem em mãos do poder público. Vale apenas lembrar o caso da Infraero, vítima da privataria petista e peemedebista nos últimos anos. Esta foi realizada em nome da “modernização”, que só seria trazida torrando o patrimônio público em tenebrosas concessões.

Uma noticia do R7, de agosto último, é ilustrativa a respeito:

“A intenção do governo federal de repassar à iniciativa privada a administração de ao menos 14 aeroportos coloca a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) em um dos momentos mais delicados da sua história, segundo especialistas ouvidos pelo R7.

A estatal, fundada em 1973 durante o governo militar de Emílio Garrastazu Médici, chegou a administrar mais de 66 terminais em 2011, mas agora caminha para um encolhimento.

Ao fim de 2016, a Infraero registrou 104,7 milhões de embarques e desembarques nos 60 aeroportos que administrava.

Com os terminais já leiloados e com as futuras concessões, a expectativa é de uma perda de 62,6 milhões de embarques e desembarques: queda de 60%, levando em conta os números do ano passado.

Somente as concessões dos terminais de Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Salvador (BA) e Fortaleza (CE), em março, significam uma perda de 23,3% do número de passageiros da estatal em relação a 2016”.

A Folha está cada vez mais se tornado exemplo acabado de jornalismo desonesto.

*Gilberto Maringoni é professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC. É também jornalista e cartunista

Foto: Paulo Pinto/Foto Públicas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum