Blog do Maringoni

política

27 de abril de 2017, 18h11

Só a República Velha foi tão longe no ataque aos de baixo. O golpismo brinca com fogo

Michel Temer, João Doria e outros meliantes estão indo com muita sede ao pote para esmagar o povo brasileiro. Podem se dar mal.

Desde a República Velha, nenhum governo rompeu laços com o movimento sindical. Nem mesmo as ditaduras ou os governos neoliberais anteriores.

As duas gestões de Getúlio Vargas – que criou a CLT – tiveram no movimento dos trabalhadores – mesmo buscando mantê-lo sob controle – importante base de articulação e apoio. A criação do PTB, em 1945, teve o papel de se contrapor ao PCB nas disputas sindicais.

Dutra perseguiu ferozmente as lideranças, mas não colocou em questão a legislação aprovada no governo anterior.

A ditadura de 1964 perseguiu de maneira selvagem ativistas e dirigentes, mas não rompeu com o sindicalismo. Sua política para o movimento tinha como ponto forte a intervenção na direção das entidades, como Dutra. Pelo menos dois dirigentes colocados de cima para baixo nas entidades se tornaram conhecidos. O primeiro foi Paulo Vidal, dos Metalúrgicos de São Bernardo. Através de suas mãos, Lula entrou na diretoria e na vida política, nos anos 1970. O segundo foi Joaquim dos Santos Andrade, o Joaquinzão, que mudou de lado e se tornou um dos mais importantes dirigentes sindicais brasileiros. Entre os anos 1970-80, exerceu decisivo papel na solidariedade a movimentos grevistas de todo o país, em especial para com as mobilizações do ABC paulista.

Mesmo uma gestão ultraliberal como a de Collor de Mello se movimentou para atrair para seu lado parcelas expressivas do movimento sindical . O dirigente mais notório foi Antonio Rogério Magri, que se tornou ministro do Trabalho. Tanto Collor, quanto Sarney e FHC buscaram diálogo com a Foça Sindical.
Lula aproximou-se de todas as vertentes dos trabalhadores.

Agora, com o golpe, o que se vê é uma absoluta loucura. Com o ataque à CLT, à Previdência e com iniciativas de seus esbirros pelos estados, há um rompimento total com os de baixo e a tentativa de isolamento e criminalização das entidades e seus protagonistas.

O movimento sindical não é ator coadjuvante ou neófito na cena política. Com diferentes gradações políticas, forma uma estrutura capilarizada e representativa da sociedade brasileira.

Empurrar esse setor para a ilegalidade, assaltando e cortando prerrogativas e direitos não se constitui apenas em fator antidemocrático. Trata-se de gerar instabilidade política em toda linha, inclusive entre o patronato, que ficará sem canais de negociação com os de baixo.

A porta que o golpismo abre é para lá de perigosa. Tirar de cena o sindicalismo abre as portas para que a voz dos trabalhadores seja sufocada. Mas não o será, porque não existem espaços vazios em política.

Gera-se espaço para que essa expressão seja ocupada por agentes nada democráticos, como igrejas ou o crime organizado.

Michel Temer e seus capangas adentram numa senda irresponsável e perigosa.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum