terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Prefeitos petistas e as chuvas

Esta semana teve um encontro de prefeitos do PT do sudoeste mineiro em Nova Resende, para criticar a direção estadual do partido e, segundo os jornais, protestar contra a ausência do governo federal no socorro a vítimas das chuvas neste começo de ano.

São mais de vinte as prefeituras administradas pelo PT na região. Nova Resende, minha terra, é uma delas. E, interessante, de todas, acredito, é a única que não tem problemas de enchentes. A cidade fica quase toda na linha de cumeeira de uma serra, então não enche nunca de água.

Só que essa linha de cumeeira tem a forma de U, e no meio desse U tem uma várzea com uma das nascentes do rio São João. Sem moradias ali, só com uma vegetação de campo, quando chove, mesmo bastante, a água se infiltra no solo com uma certa rapidez, e se limita a encher mais o córrego. Assim, a cidade não tem vítimas das chuvas, pelo menos de enchentes.

Não tem também deslizamentos.

Mas tudo isso pode mudar. Primeiro, desde gestões anteriores da prefeitura, vêm sendo abertas ruas em uma área de declive muito forte. Com cortes nos barrancos, a médio e longo prazos podem ocorrer deslizamentos.

O pior, porém, é que parece que foi liberada a construção de casas na chamada Vargem, área da várzea a que me referi. Já há ruas cortando parte dela.

Há muito tempo, prefeitos recém-eleitos falam em abrir uma avenida na Vargem. Conversei com vários deles, tendo como cacife a minha formação em Geografia. Se aberta uma avenida ali, o asfalto e as casas impedirão a infiltração das águas das chuvas. E haverá enchentes, prejuízos, vítimas lamentando, talvez até mortes.

Conversei também com o atual prefeito, Ronei de Brito, do PT, que está no segundo mandato e faz uma boa gestão em muitos aspectos. Sempre tive Ronei como um amigo e várias vezes conversamos sobre muitas coisas, inclusive sobre isso.

Mas há mais de um ano, quando soube que abriam ruas nos limites da Vargem e havia já muitas casas na própria várzea, mandei mensagens ao Ronei. Ele nunca me respondeu. Então escrevi uma carta registrada, alertando que ele poderá ser o responsável por tragédias futuras, e também nunca recebi resposta.

Essa história de tragédias provocadas por chuvas é previsível na maioria dos casos. Em algumas cidades, ricos desmatam áreas que não podem e constroem casas nesses lugares. Eles têm grana e poder para conseguir a complacência das prefeituras.

Pobres também fazem isso, ocupam áreas de uma forma que são desastres anunciados. Isso em administrações de todos os partidos. No caso do PT, fica o discurso de que os “coitadinhos” dos pobres não têm para onde ir. Quando a administração é de outro partido, vereadores petistas apoiam as ocupações, exigem legalização da ocupação, extensão de água, luz, asfalto e tudo mais até lá, além da instalação de escolas e outros equipamentos públicos.

Vereador bom é o que “ajuda” a legalização do ilegal. Vereador que leva a sério questões como essa e não promovem desastres ambientais e humanos futuros, é ruim.

Depois, quando ocorrem tragédias, ninguém é culpado.

A ocupação do Jardim Pantanal, em São Paulo, é um exemplo claro disso. Fizeram bairros inteiros numa área normalmente alagável. Desde quando isso acontece? Houve a complacência de tudo quanto é político ali.

Enfim, não sei como foi a reunião dos prefeitos em Nova Resende. Espero que os prefeitos de lugares vitimados pelas chuvas tenham relatado o acontecido, e que o prefeito Ronei de Brito leve isso a sério.

Mouzar Benedito
Mouzar Benedito
Mineiro de Nova Resende, é geógrafo, jornalista e também sócio fundador da Sociedade dos Observadores de Saci (Sosaci).