Blog do Rovai

Entrevista exclusiva com Lula
07 de dezembro de 2011, 15h50

Classe C prefere Geise Arruda à Gisele Bündchen e Juliana Paes (parte 1)

O Renato Meirelles, do DataPopular, foi um dos palestrantes do evento realizado pela Altercom na segunda-feira. Sua apresentação foi devastadora. Desnudou o preconceito da “nossa elite branca e sanguessuga” – quem disse isso foi o ex-governador de São Paulo, Cláudio Lembo. E também mortal em relação à forma como a nossa mídia (jornalismo e publicidade) caracteriza o Brasil.

Antes de qualquer coisa, Meirelles posicionou o que se considera Classe C no Brasil. Há duas faixas. A C1 é de renda familiar de R$ 3.379,08. Neste caso, a variação da renda por pessoa é de R$ 770,50 a R$ 1.249,99. A C2 tem renda familiar de R$ 1.829,18. Por pessoa vai de R$ 291,00 a R$ 770,49.

Claro que vai aparecer um sabichão da nossa “iliti” pra afirmar que quem ganha isso só é Classe C num país pobre como o Brasil. Que nos EUA um sujeito com essa renda é miserável. Mas pra isso o Renato Meirelles tem uma resposta na ponta da língua. A Classe C estadunidense é mais rica que 92% da população do mundo. Ou seja, não pode ser padrão universal. E a Classe C brasileira? Aí vem a surpresa. A Classe C brasileira é mais rica do que 62% da população do mundo. E agora, quem vai brigar com os números?

A pesquisa do DataPopular tem uma quantidade de outros dados interessantes, mas antes deles vou apresentar a história que justifica o título.

O instituto fez um levantamento com mulheres de Classe C apresentando três siluetas de mulheres. O número 1 era o da Gisele Bündchen, o 2 o da Juliana Paes e o 3 o da Geise Arruda. As perguntas eram: 1) Qual o corpo mais bonito?, 2) Qual o corpo mais atraente e 3) Qual o corpo você gostaria de ter?

Deu Geise Arruda disparado como você pode ver na ilustração abaixo. Aliás, quando o assunto é que corpo é o mais atraente ela meteu 72,2% a 5,3% na coitada da Gisele Bündchen. Mas por que o padrão de beleza das novelas e da publicidade é o da magrela da Gisele?


Porque quem desenha o mundo ideal para todos os brasileiros é a “iliti” da Classe A, que nos diz, entre outras coisas, qual o padrão de beleza que deve ser adotado por todas as mulheres do país. Ou seja, o do magrelismo.

Mas a pesquisa do DataPopular traz outros dados relevantes. De cada 10 brasileiros que entraram na Classe C nos últimos anos, três eram nordestinos. Dá pra entender porque o governo Lula foi tão bem avaliado na região. Mas o Nordeste ainda é a área que tem o maior índice de habitantes nas classes D e E, 55%. No Norte é 45%, Centro Oeste, 26%; Sudeste, 21% e Sul, 19%. Ainda há muito espaço para ascensão social nas regiões Norte e Nordeste.

Mas o que você acha que a “iliti” pensa da Classe C?

O Renato Meirelles também pesquisou isso com 18.365 das classes A e B:

 

55,3% os produtos deveriam ter versões para ricos e para pobres;

48,4% acham que a qualidade dos serviços piorou com o maior acesso da população;

62,8% se incomodam com o aumento das filas originados pela ampliação do acesso;

49,7% preferem ambientes com pessoas do mesmo nível social;

17,1% acham que todos os lugares deveriam ter elevadores separados (para ricos e pobres);

26,4% acham que metrô aumenta o número de pessoas indesejáveis na região;

17,1% consideram que pessoas mal vestidas deveriam ser barradas em certos lugares.

 

Essa Classe C vai consumir em 2011 aproximadamente R$ 1 trilhão e por conta dela a economia do Brasil não vai à breca.

Amanhã à tarde publico a segunda parte deste post.

 

PS: Como em inglês o “e” tem som de “i”, “iliti” fica mais adequado ao topo da pirâmide brasileira.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum