Blog do Rovai

26 de setembro de 2018, 19h30

Debate SBT/UOL não muda nada na eleição, mas foi pior para Alckmin

A 11 dias da eleição, as oportunidades para reviravoltas vão se encerrando e vai sobrando o debate da Globo, mas para que ele possa mudar as posições atuais, terá de ser bem diferente deste do SBT/UOL.

O debate organizado pelo SBT, Folha e UOL foi de baixa intensidade. Ninguém saiu arrasado ou muito melhor para ganhar pontos significativos com ele. Mas se isso é uma verdade, também há outra: o grande derrotado foi o candidato tucano, Geraldo Alckmin.

Ele não aproveitou a oportunidade para tentar sair do limbo em que se encontra nas pesquisas e ao mesmo tempo tomou dois tocos de Guilherme Boulos (PSOL) que certamente serão memetizados entre hoje e amanhã.

Boulos perguntou a Alckmin onde estava o dinheiro da merenda e ainda emendou dizendo que ele é o Sérgio Cabral de São Paulo.

Meirelles também cutucou Alckmin no quesito corrupção. E ele não conseguiu se livrar dessa pecha.

De resto, o destaque foram os dois momentos de embate entre Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT). No primeiro deles, discutiram investimentos regionais e o fizeram em altíssimo nível.

Depois, num segundo momento, ao responder a um dos jornalistas presentes, Ciro Gomes disse que se eleito prefere não ter o PT no seu governo porque o partido foi responsável pela “polarização odienta” que produziu Bolsonaro.

Haddad retrucou, quando teve oportunidade, dizendo que Ciro havia lhe convidado para ser seu vice e fazer um “dream team”. O que se mostrava contraditório com a afirmação atual.

A 11 dias da eleição, as oportunidades para reviravoltas vão se encerrando e vai sobrando o debate da Globo, mas para que ele possa mudar as posições atuais, terá de ser bem diferente deste do SBT/UOL.

A participação de Bolsonaro nele só ocorrerá se houver algum risco de ser ultrapassado por Ciro ou Alckmin. Caso não, o capitão deve se preservar para o segundo turno.

 

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum