Blog do Rovai

Fórumcast, o podcast da Fórum
25 de setembro de 2013, 15h53

Dilma na ONU ajuda a entender por que os gringos consideram Veja uma gossip magazine

Discurso de Dilma na ONU questiona a espionagem americana na Internet e Veja fala em campanha

Ontem, 24 de setembro de 2013, foi um dia histórico para as relações internacionais brasileiras. O país reafirmou sua soberania e mostrou que não aceita a posição de vassalo frente a grandes potências. O discurso da presidenta Dilma durante a abertura da 68ª Assembleia-Geral das Nações Unidas foi na medida. De modo firme e direto, a nossa presidenta não só cobrou dos EUA respostas e mudanças, como também chamou a comunidade internacional para posicionar-se e assumir responsabilidades frente à espionagem norte-americana.

Dilma ousou ao afirmar que a espionagem dos EUA fere os direitos humanos. Sim, a nossa presidenta falou para líderes do mundo inteiro que a nação que se autoproclama “xerife do mundo” violou os direitos humanos em escala global.

Ousou também ao afirmar que sem o direito à privacidade “não há verdadeira liberdade de expressão e opinião e, portanto, não há efetiva democracia”. Sim, Dilma falou à nação, acostumada a usar seu poderio militar para “defender” a democracia no mundo inteiro, que ela própria interferiu em países democráticos de forma não democrática.

Por fim, Dilma foi propositiva e colocou o Brasil na vanguarda da luta por uma internet de fato livre e democrática. E anunciou que o Brasil vai propor um marco civil internacional que proteja a liberdade de expressão, a privacidade dos indivíduos e a “neutralidade” da rede mundial de computadores.

A presidenta não destilou ódio no seu discurso. Foi objetiva e falou de um problema real, com consequências reais e graves. Além de ter proposto uma ação concreta para uma plateia formada por líderes de muitas nações que também foram vítimas da espionagem dos EUA. A mídia internacional reconheceu isso. Seu discurso foi destaque nos portais dos principais jornais do mundo. Nas manchetes, destaque para firmeza da presidenta frente a espionagem norte-americana. Agora, na nossa “principal” revista semanal….

Reprodução / Facebook

A Veja afirmou que Dilma fez um discurso “de olho em 2014”. Que aproveitou parte o momento para “desfilar aquilo que classificou como conquistas do seu governo”.

Dilma falou em diminuição da pobreza, da mortalidade infantil, de participação popular. E falou tudo isso para propor uma agenda mundial que caminhe nesta direção. E Veja entende isso como conquistas “do seu governo”. Veja, nesse caso, tem meia razão. São conquistas do governo de Dilma, mas também de Lula. E ponto final. E seria muito bom que outros países se somassem na luta contra a desigualdade social como fez o Brasil na última década.

Mas pelo jeito Veja tem saudades do tempo em que o Brasil falava em medidas de austeridade, pagamento da dívida externa e parcerias estratégicas com as potências que nos espionam. Afinal, quem somos nós, essa república que adora fazer compras em Miami, para bater de frente com o todo poderoso Tio Sam. Veja é veja. Mas os outros veículos internacionais não são. Basta olhar a repercussão do caso na ilustração acima. Por isso a Veja é só uma “gossip magazine” na visão dos gringos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum