Blog do Rovai

10 de abril de 2011, 23h31

Michael e Araçatuba: a vitória da luta contra o preconceito

Nos anos 80 eu torcia pela Pirelli. O time liderado pelo armador Willian disputava quase todas as finais contra o Atlântica Boa Vista, de Bernard. O Atlântica era do Rio de Janeiro. O Pirelli, de São Paulo. Mais precisamente de Santo André. Acho que torcia pela Pirelli por isso, pela proximidade. Hoje me peguei torcendo para um time de vôlei e desconsiderando a proximidade.

Naqueles anos parecia que o vôlei brasileiro ia mobilizar milhares de torcedores país afora, mas não foi isso que aconteceu. Nossos melhores jogadores saíram, em geral para a Itália, e os atletas que ficaram não conseguiram nem apoio nem mídia para empolgar patrocinadores. Mesmo o Brasil tendo ganhado boa parte dos torneios de seleção que disputou. Incluindo nesta conta uma Olimpíada.

Agora o vôlei ganhou novo impulso. Boa parte dos atletas voltou e os ginásios têm ficado cheios nas principais partidas.

Assisto isso de camarote. Moro em frente ao SESI da Vila Leopoldina, em São Paulo. O clube tem Giovanni como técnico e está sempre disputando finais de campeonatos. Em dias de jogo, minha rua pára.

Veja também:  É possível mirar na cabecinha, mas não dá pra ver se a arma é de brinquedo?

Nos próximos fins de semana o SESI vai disputar a final da Superliga masculina de Vôlei. O jogo será ou contra o Cruzeiro, de Minas, ou contra o Vôlei Futuro, de Araçatuba.

Vou torcer muito pelo Vôlei Futuro. Tanto contra o Cruzeiro quanto contra o SESI, caso passe pela final. Explico.

Poucas vezes vi uma cena tão emocionante no esporte brasileiro quanto a homenagem que o povo de Araçatuba e os colegas de equipe do meia de rede Michael fizeram a ele neste final de semana por conta do que viveu em Minas dias antes.

Após assumir sua homossexualidade, Michael foi com a sua equipe disputar as semifinais contra o Cruzeiro, e foi estupidamente hostilizado pela torcida local. Um vexame. Algo que deveria envergonhar não só o time, como seus jogadores, torcedores e todos os mineiros.

As cenas eram de um país atrasado e intolerante. Mas felizmente o Brasil não é só isso.

No confronto de volta, a torcida do time de Michael abriu uma faixa enorme onde se lia “Vôlei Futuro contra o preconceito”, seus torcedores seguravam balões rosas com o nome do atleta e na quadra o líbero Mário Júnior usava uma camisa com um arco-iris, mostrando o respeito da equipe pelo colega.

Veja também:  Tic tac: Amazônia em chamas torna impeachment de Bolsonaro uma questão de tempo

Não imaginava que poderia assistir cenas como essa numa arena esportiva brasileira. O nome de Michael entra para a história do esporte brasileiro porque pela primeira vez uma torcida saiu em defesa de um atleta e contra homofobia.

Vôlei Futuro e Araçatuba demonstraram civilidade, tolerância e dignidade. Vou torcer muito para que ganhem a superliga. Porque não será apenas a vitória de um time e de um conjunto de atletas. Mas de uma luta histórica contra o preconceito.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum