Novo relatório da Anistia Internacional sobre violência no Brasil

A Anistia Internacional publicou nesta quarta, 2 de maio, relatório sobre a violência urbana no Brasil. Intitulado Dos ônibus em chamas aos Caveirões, o documento analisa principalmente as ondas de violência no Rio de Janeiro e em São Paulo, que, segundo a Anistia, chegaram a um "trágico impasse": bandos criminosos (sejam traficantes ou milícias) ocuparam […]

A Anistia Internacional publicou nesta quarta, 2 de maio, relatório sobre a violência urbana no Brasil. Intitulado Dos ônibus em chamas aos Caveirões, o documento analisa principalmente as ondas de violência no Rio de Janeiro e em São Paulo, que, segundo a Anistia, chegaram a um "trágico impasse": bandos criminosos (sejam traficantes ou milícias) ocuparam o vácuo deixado pelo Estado. "Enquanto isso, comunidades pobres continuam a sofrer, com balas perdidas, enfrentando toque de recolher ou sendo extorquidas por milícias ou traficantes", diz o documento.

O relatório comenta desde os episódios de maio de 2006, em São Paulo, quando sucessivos ataques do grupo criminoso Primeiro Comando da Capital (PCC) aterrorizaram e pararam a cidade, até a realidade diária das favelas do Rio. Diz que os acontecimentos são uma demonstração viva "do preço pago pela falta de vontade de sucessivos governos para prover segurança pública para todos os cidadãos brasileiros", aponta falhas no sistema judiciário – "incluindo ampla corrupção que fez acabar a confiança da sociedade na Justiça e na Polícia" – e diagnostica a falta de política pública coerente e de longo prazo para o problema.

O relatório completo, em inglês e em português estão disponíveis.

Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR