Bolsonaro e Lula têm hoje praticamente o mesmo eleitorado de janeiro de 2018

Era um cenário muito parecido com o atual, que é ainda um pouco mais favorável a Lula

Em janeiro de 2018, em pesquisa Datafolha, Lula tinha 37% das intenções de voto, Bolsonaro 16%, Alckmin 7% e Ciro 7%. Os outros candidatos que estavam na simulação tinham todos juntos 15%. Lula não ganhava no primeiro turno, mas liderava de forma folgada.

Era um cenário muito parecido com o atual, que é ainda um pouco mais favorável a Lula. Na primeira pesquisa do ano feita presencialmente (mesmo método usado pelo Datafolha) pela Quaest, Lula lidera com 45%, Bolsonaro teve 23%, Sergio Moro 9%, Ciro Gomes 5%, João Doria 3% e Simone Tebet 1%.

O que os números mostram? Que em janeiro de 2018, pouco antes de ser preso e já sendo vítima de um massacre midiático-judicial, Lula era favoritíssimo a vencer aquela eleição. Não fosse Sergio Moro e o TRF-4 que correram para tirá-lo do pleito e prendê-lo ainda em abril, ele provavelmente seria presidente hoje.

Mesmo com alta rejeição do PT na classe média, Lula teria tido o voto das classes D e E que Haddad não alcançou por ser menos conhecido e por não ter o mesmo perfil popular do ex-presidente.

Se essa é uma verdade, outra é que Bolsonaro já tinha 16% e não 2% ou 3% como alguns analistas irresponsáveis vivem divulgando para dizer que é possível construir uma candidatura viável do nada há 9 meses antes do pleito. Não é bem assim.

Uma candidatura presidencial não se constrói com tanta rapidez. O Brasil é um país continental com regiões muito diferentes. Em eleições municipais ou estaduais é até possível fazer com que alguém com baixos índices consiga surpreender na reta final, como destacou Felipe Nunes, CEO da Quaest, em entrevista ao Fórum Onze e Meia. Mas para presidente o buraco é mais embaixo. E Bolsonaro já tinha conseguido atingir em janeiro de 18 aquele número mágico de 15% que pode impulsionar um nome para um voo mais alto.

Essa é a má notícia para a tal da 3ª via. Nenhum dos seus candidatos tem sequer 10%, ou seja, não bateu nos dois dígitos. Isso terá que acontecer muito rapidamente ou a polarização entre Lula e Bolsonaro tende a fazer com que aqueles que poderiam votar num outro candidato rumem para um ou para o outro. O que pode fazer com que Lula decida a fatura ainda no 1º turno, porque está muito à frente.

Aliás, essa é a tendência atual que as recentes pesquisas permitem avistar. Bolsonaro e Lula polarizando o debate durante este ano e Lula ganhando no 1º turno, fazendo com que o atual presidente cumpra sua promessa e vá morar em outras paragens. Provavelmente em Dubai, onde tem feito muitos negócios e local em que é muito fácil lavar branquinho o dinheiro sujo que se acumula em outros países.

Publicidade
Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.