Blog do Rovai

20 de agosto de 2019, 10h15

É possível mirar na cabecinha, mas não dá pra ver se a arma é de brinquedo?

O tal sequestrador é alvejado (provavelmente na cabecinha) e morre. As pessoas aplaudem. Gente de esquerda diz que não se deve entrar neste debate porque ele é desfavorável. Preferem o silêncio tático

Witzel e o Sniper (Reprodução/TV)

São Paulo anoiteceu às 16h de ontem. E o Rio de Janeiro amanheceu hoje com a cor de sangue e o cinza da violência.

Um homem invadiu um ônibus na Ponte Rio-Niteroi com uma arma de brinquedo e anunciou um sequestro.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Em minutos este era o principal assunto do dia nas redes sociais. Em minutos milhões pediam sangue e “justiça”.

Uma sociedade em crise civilizatória, na qual a arminha de dedo se tornou símbolo da campanha do presidente eleito, não entende que a arma serve também a este tipo de coisa.

E aí o governador do Rio de Janeiro, que se elegeu a partir de um combo de mercadores da fé e milícias, autoriza seus “snipers” a agirem.

O tal sequestrador é alvejado (provavelmente na cabecinha) e morre.

As pessoas aplaudem. Gente de esquerda diz que não se deve entrar neste debate porque ele é desfavorável. Preferem o silêncio tático.

A barbárie avança sem que sequer as pessoas se perguntem: se é possível de tão longe mirar na cabecinha, não é possível identificar se a arma é de brinquedo?

A barbárie não avança apenas por conta dos bárbaros, mas também dos covardes. Dos que se calam e não questionam. Dos que aceitam o jogo jogado. Dos que não se perguntam se não nos tornamos cúmplices do que estamos vivendo.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum