É possível mirar na cabecinha, mas não dá pra ver se a arma é de brinquedo?

O tal sequestrador é alvejado (provavelmente na cabecinha) e morre. As pessoas aplaudem. Gente de esquerda diz que não se deve entrar neste debate porque ele é desfavorável. Preferem o silêncio tático

São Paulo anoiteceu às 16h de ontem. E o Rio de Janeiro amanheceu hoje com a cor de sangue e o cinza da violência.

Um homem invadiu um ônibus na Ponte Rio-Niteroi com uma arma de brinquedo e anunciou um sequestro.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Em minutos este era o principal assunto do dia nas redes sociais. Em minutos milhões pediam sangue e “justiça”.

Uma sociedade em crise civilizatória, na qual a arminha de dedo se tornou símbolo da campanha do presidente eleito, não entende que a arma serve também a este tipo de coisa.

E aí o governador do Rio de Janeiro, que se elegeu a partir de um combo de mercadores da fé e milícias, autoriza seus “snipers” a agirem.

O tal sequestrador é alvejado (provavelmente na cabecinha) e morre.

As pessoas aplaudem. Gente de esquerda diz que não se deve entrar neste debate porque ele é desfavorável. Preferem o silêncio tático.

Publicidade

A barbárie avança sem que sequer as pessoas se perguntem: se é possível de tão longe mirar na cabecinha, não é possível identificar se a arma é de brinquedo?

A barbárie não avança apenas por conta dos bárbaros, mas também dos covardes. Dos que se calam e não questionam. Dos que aceitam o jogo jogado. Dos que não se perguntam se não nos tornamos cúmplices do que estamos vivendo.

Publicidade
Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR