Blog do Rovai

Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de dezembro de 2019, 10h01

Não importam os projetos partidários na luta contra o fascismo

Neste momento frentes progressistas avançando para o centro aonde vier a ser possível podem impor muitas derrotas aos bolsonarismo

A tese do momento nas conversas entre militantes progressistas é a de que a cláusula de barreira e a proibição de coligações nas chapas proporcionais vão “obrigar” os partidos a lançarem candidatos próprios aos executivos municipais.

O nível de irresponsabilidade com o país e o umbiguismo pragmático ultrapassou todos os limites.

A miséria aumentando exponencialmente, a violência policial se tornando cena comum, o desrespeito aos direitos humanos assumindo o Estado, líderes ambientalistas e de movimentos sociais sendo presos sem justificativa, jornalistas ameaçados, mas boa parte das burocracias dos partidos progressistas está preocupada com o espaço que detém em suas máquinas. Com os processos eleitorais futuros.

A incapacidade desses líderes de compreensão do que é o fascismo e de como ele avança é assustadora. O fascismo corrói a sociedade por cima e por baixo. E quando parece mais ameaçado pode se tornar ainda mais perigoso.
Para deter processos fascistas sempre foi fundamental a construção de amplas frentes. Foi necessário que Churchill e Stalin se unissem pra derrotar Hitler. Nem é de frentes tão amplas que estamos precisando neste momento para conter Bolsonaro.

Neste momento frentes progressistas avançando para o centro aonde vier a ser possível podem impor muitas derrotas aos bolsonarismo que vai se esconder em milhares de candidaturas por diferentes partidos Brasil afora. Candidaturas de inspiração fascista.

Se essas frentes não vierem a ser construídas com amplos debates na sociedade, os partidos progressistas serão meros coadjuvantes em 2020.

Elegerão um número menor de prefeitos e vereadores e verão seus projetos políticos serem abalados para 2022.
Ou seja, não terão nem uma coisa nem outra. Vão perder os anéis e os dedos. Parte das estruturas partidárias e base social política.

Há inúmeras formas de se construir essas frentes. Com generosidade e projeto coletivo amplo é muito mais simples do que parece. É preciso colocar a sociedade à frente deste projeto maior. E saber que os partidos, quando progressistas, devem ser apenas instrumentos para a defesa da democracia e a transformação social. Não um fim em si mesmo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum