Pesquisa mostra que só existe uma chance para a terceira via, a cassação de Bolsonaro

A terceira via tem vários candidatos sendo testados e nenhum que chegue a dois dígitos. Os três que estão mais próximos disso são nos seus melhores cenários Ciro Gomes (9%). Datena (7%) e João Dória (6%).

A pesquisa Genial/Quest divulgada hoje mostra uma Lula todo poderoso, definindo as eleições já no primeiro turno mesmo em cenário com vários candidatos. E ao mesmo tempo um Bolsonaro consolidado na faixa de 1/4 do eleitorado. Sua avaliação de ótimo é bom é 24%. Ou seja, há uma coerência de números entre os que votam nele e avaliam positivamente seu governo.

A pesquisa também mostra uma evolução da insatisfação com os rumos da economia, o que pode vir a prejudicar ainda mais a imagem do presidente, já que o país começa a viver um período de apagão energético, o desemprego só aumenta, a inflação dos alimentos disparou, a gasolina chegou a preços absurdos e o PIB acaba de registrar 0,1% no último trimestre.

A economia passa a ser um fato mais relevante do ponto de vista político do que a própria pandemia. Ela é o fator surpresa que pode empurrar Bolsonaro para índices abaixo de 20%, o que já o deixaria correndo sério risco de ficar fora do 2o turno. Ele precisará de ao menos 25% do votos totais, o que seria aproximadamente 30% dos válidos para carimbar sua ida para uma disputa final com Lula. E ainda teria que torcer para que a terceira via saísse com muitos candidatos e eles amealhassem uma parte importante de votos, deixando um Lula no máximo com 40% para ter alguma chance de virada na etapa final. O que não é o que está acontecendo agora (veja tabela abaixo).

É aí que a vaca torce o rabo para a terceira via. Ela tem vários candidatos sendo testados nas pesquisas e nenhum que chegue a dois dígitos. Os três que estão mais próximos disso são nos seus melhores cenários Ciro Gomes (9%). Datena (7%) e João Dória (6%). Ciro e Dória muito dificilmente deixarão de ser candidatos. E Datena muito dificilmente o será.

Mas aí é que o apito toca. Na mesma pesquisa Genial/Quest uma pergunta revela o verdadeiro potencial deste espaço que se convencionou chamar de terceira via. A pergunta é: Na eleição de 2022 quem você prefere que vença, Lula, Bolsonaro ou nem Lula e nem Bolsonaro? Vejam que a pergunta é super generosa para essa tal terceira via. Ela sequer aponta vários nomes, pode ser qualquer um desde que não sejam nem Lula e nem Bolsonaro. E o resultado é: 45% Lula, 25% nem Bolsonaro e Lula e 23% Bolsonaro. Um inepto em pesquisas ou um desses analistas fanáticos pela tal via do meio pode vir a dizer, tá vendo, existe uma vasta avenida para uma candidatura alternativa. Muito pelo contrário, a rua é absolutamente estreita.

Se todos os candidatos somassem apenas às suas aprovações neste campo, eles teriam 25%. Acontece que na hora que aparecer o tal nome unitário (o que é praticamente impossível, já que Dória e Ciro, por exemplo, são candidatos e não se apoiariam) ele não poderia perder qualquer voto ou para Bolsonaro, para Lula ou para o nulos e brancos, o que é praticamente impossível.

A chance da terceira via é cassar Bolsonaro e impedi-lo de disputar em 2022. Acontece que isso também é de alto risco. Sem Bolsonaro na disputa Lula fica ainda mais forte. Bolsonaro é adversário mais difícil para Lula num segundo turno e sem ele na disputa, as chances de Lula liquidar a fatura ainda no primeiro passam a ser imensas.

Essa pesquisa Genial/Quest deve ter aumentado a venda de lenços nas imediações do Jardim Botânico. Não está fácil para Merval e sua turma animarem a tropa com esses dados. Entre os pragmáticos dos meio político e econômico o recado que ela dá é: escolha seu lado. Ou é Lula ou é Bolsonaro.

Publicidade
Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR