Super troca: PT e PSOL; Rio e SP

Chegou a hora de candidaturas progressistas que estão em situação desfavorável fazerem o que a lógica manda, desistirem

Estamos a uma semana da eleição para prefeito e vereadores em todo o Brasil. Trata-se do exato momento que em boa medida o voto se decide entre aqueles que têm algum grau de favoritismo. A lógica de não quero perder meu voto ainda é muito forte no Brasil.

Chegou a hora de candidaturas progressistas que estão em situação desfavorável fazerem o que a lógica manda, desistirem. E com isso criarem uma onda a favor daquelas que têm mais chances de ir pra disputa final no 2° turno.

Não amigos, isso não é loucura ou muito menos impossível. É factível e já aconteceu algumas vezes em eleições. Recordo-me, por exemplo, da eleição de Luiza Erundina pelo PT. Foi fundamental para que ela acontecesse que Airton Soares, do PDT, renunciasse e chamasse o voto em Erundina dias antes do pleito.

Soares tinha 1% de intenção de votos. Seu gesto não foi importante por conta dos votos que trouxe, mas pela onda que criou.

Jilmar Tatto e Renata Souza estão em situação ruim do ponto de vista eleitoral em SP e Rio. Nenhum dos dois chega a 5% dos votos. Por outro lado, Boulos e Benedita estão a um fio de ir para o 2° turno. É hora, mais do que a hora, de ambos renunciarem e indicarem o voto nos que têm chances.

Não seria nenhuma desmoralização pessoal nem partidária. Ao contrário, poderia ser uma engenharia eleitoral que criasse lastro pra outras candidaturas Brasil afora, nesta eleição e em próximas.

Não foi desmoralizante pra Cristina Kirchner ser vice de Alberto. Ao contrário, foi essa engenharia política que levou a Argentina a se ver livre de Macri. Não foi desmoralizante pra Bernie Sanders apoiar Biden, mesmo sabendo o quão diferentes são um do outro. Foi o que possibilitou derrotar Trump. Uma semana é um oceano a se atravessar numa eleição. PT e PSOL tem a chance de fazer história. Como também podem ter de amargar um 15 de novembro triste. Sem que o campo progressista fique sem nenhum candidato no 2° turno nas duas maiores cidades do Brasil. O risco é imenso.

Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.